Charles Sykes/AP
Charles Sykes/AP

Cineasta Nora Ephron morre aos 71 anos

Também jornalista e escritora, ficou famosa ao trabalhar em comédias românticas com Meg Ryan

NOVA YORK , O Estado de S.Paulo

27 de junho de 2012 | 03h02

A americana Nora Ephron, escritora, diretora e produtora de filmes que ajudou a criar comédias românticas famosas como Harry e Sally - Feitos um Para o Outro (1989) e Sintonia de Amor (1993), morreu ontem aos 71 anos em um hospital de Nova York. Ela sofria de uma doença que afeta o sangue chamada mielodisplasia.

Filha de dramaturgos, Nora começou na carreira como repórter no New York Post e, depois, como free-lancer em revistas como Esquire e New York Magazine. Seu primeiro livro, uma coletânea de trabalhos jornalísticos, foi publicado em 1970. Outros livros se seguiram nessa década, quando ela se tornou uma voz de um feminismo leve, mas não leviano. "Sempre lamentei que o movimento feminista não percebesse que é muito mais fácil atingir as pessoas por meio do humor do que mostrando o punho cerrado", disse em 1976.

Nesse ano, casou-se pela segunda vez, com o famoso repórter Carl Bernstein, que ajudou a revelar o escândalo de Watergate e levou à renúncia do presidente Richard Nixon. O casamento foi atribulado - "a pior e mais interessante coisa que me aconteceu", disse ela - e rendeu um romance, Heartburn, publicado em 1983. A lavação de roupa suja em público fez com que a obra fosse um best-seller.

O sucesso abriu as portas para o cinema, atividade que a tornou muito mais conhecida. A princípio como roteirista, teve seus escritos filmados por Mike Nichols, entre eles uma adaptação de seu livro mais célebre. Mas foi com um filme dirigido por Rob Reiner, Harry e Sally - Feitos um para o Outro, que ela escreveu sua mais famosa cena, em que Meg Ryan demonstra a um estupefato Billy Cristal, dentro de uma padaria, como uma mulher consegue fingir um orgasmo.

Outro êxito, desta vez como diretora e produtora, foi Sintonia de Amor, inspirado em Duas Vidas (1939) e Tarde Demais para Esquecer (1957), de Leo McCarey. Os dois atores principais, Meg Ryan e Tom Hanks, voltaram a fazer par em outro filme da diretora, Mensagem para Você (1998), por sua vez inspirado em A Loja da Esquina (1940), de Ernst Lubitsch. Seu último filme foi Julie & Julia (2009), com Meryl Streep. / AP

Mais conteúdo sobre:
Nora-EphronMeg-Ryan

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.