Cineasta Zelito Viana é assaltado e agredido em casa

O cineasta Zelito Viana, de 76 anos, irmão do humorista Chico Anysio (1931-2012) e pai do ator Marcos Palmeira, foi assaltado em sua própria casa, no Cosme Velho (zona sul do Rio), na noite desta sexta-feira (21). Ele, a mulher, o caseiro da família e três amigas que haviam sido convidadas para jantar foram rendidos e agredidos pela quadrilha, que passou três horas no imóvel. Eles fugiram levando R$ 500 em dinheiro, aparelhos eletrônicos e joias. Zelito havia sofrido outro assalto há quatro meses, no mesmo lugar, este praticado por dois ladrões.

FÁBIO GRELLET, Estadão Conteúdo

22 Novembro 2014 | 11h05

A casa em que o cineasta mora há cerca de 40 anos (e onde já foi assaltado outras quatro vezes) fica na rua Senador Pedro Velho, vizinho a um matagal que dá acesso à floresta da Tijuca e à favela Cerro Corá, que desde junho de 2013 dispõe de uma Unidade de Polícia Pacificadora (UPP).

Após o assalto anterior, Zelito instalou uma cerca de proteção, que ontem, segundo a Polícia Civil, foi serrada pelos criminosos, por volta das 20h30. Eles então tiveram acesso à casa pela porta da cozinha, onde duas das vítimas prepararam os pratos do jantar. Após rendê-las, o grupo anunciou o assalto às outras quatro pessoas que estavam na casa.

Todos tiveram as mãos amarradas com fita adesiva e foram trancados em um cômodo. Enquanto alguns assaltantes vasculhavam a casa, outros agrediam as vítimas com coronhadas na cabeça, chutes e socos. Eles insistiam para que Zelito informasse onde havia um cofre, inexistente na casa. Ele entregou R$ 500 ao grupo, que também recolheu três TVs, joias, celulares, relógios e máquina fotográfica.

A todo momento os bandidos ameaçavam matar as vítimas. A produtora Vera de Paula, mulher de Zelito, chegou a ser levada a um banheiro, onde, segundo a quadrilha, seria morta. O grupo afirmou a Zelito que ele podia "considerar-se viúvo", mas não cumpriram a ameaça.

O grupo foi embora por volta das 23h30, fugindo pela mata. O caso foi registrado na 10ª DP (Botafogo), mas até a manhã deste sábado (22) nenhum dos assaltantes foi identificado ou preso.

Zelito afirmou à polícia que os assaltantes (um rapaz de aproximadamente 40 anos que liderava o grupo, um suposto adolescente e três jovens) não eram parecidos com aqueles que praticaram o assalto anterior, há quatro meses. Mas um deles chegou a mencionar esse roubo, demonstrando que ao menos sabia que ele ocorrera. Embora nas paredes da casa existam fotos de Zelito com o irmão e o sobrinho, ninguém foi reconhecido pelos bandidos.

Mais conteúdo sobre:
ViolênciaassaltoZelito Viana

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.