Cinegrafista: advogado pede habeas corpus para acusados

O advogado Jonas Tadeu Nunes, que defende Caio Silva de Souza e Fábio Raposo, os dois acusados da morte do cinegrafista da TV Bandeirantes Santiago Andrade, dia 06, entrou com pedido de habeas corpus para os dois jovens na Justiça do Rio. Nunes alega que eles não oferecem perigo à sociedade e se dispõem a comparecer a todos os autos do processo, por isso não há necessidade de mantê-los presos preventivamente.

ROBERTA PENNAFORT, Agência Estado

24 de fevereiro de 2014 | 17h37

O Ministério Público ofereceu denúncia contra eles por homicídio triplamente qualificado: por motivo torpe, sem dar chance de defesa à vítima e com emprego de explosivo. Santiago Andrade, que trabalhava na Band, registrava imagens de um protesto contra o aumento das passagens de ônibus, no centro do Rio, quando foi atingido por um rojão na cabeça.

"É um direito constitucional deles (responder em liberdade). O enquadramento legal dado a eles é de exceção, foi pelo clamor da sociedade. Isso não existe no ordenamento jurídico", sustenta o advogado. "O que aconteceu está longe de ser um homicídio qualificado. Foi em decorrência de uma irresponsabilidade e negligência. Eles querem pagar, mas que não haja exceção. "

Tudo o que sabemos sobre:
cinegrafistaadvogadohabeas corpus

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.