Cinegrafista da Band morre com tiro em favela do Rio

O cinegrafista da TV Bandeirantes Gelson Domingos da Silva, atingido no peito por um tiro durante confronto entre traficantes e policiais na favela de Antares, na zona oeste do Rio, chegou morto à Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Santa Cruz, às 7h40 deste domingo.

LUCIANA NUNES LEAL, Agência Estado

06 de novembro de 2011 | 11h13

Segundo a Secretaria de Estado de Saúde do Rio de Janeiro, Gelson tinha "perfuração de bala na região do tórax". A nota diz que "foram feitas tentativas de reanimação, sem sucesso". A secretaria de saúde informa ainda que o corpo do cinegrafista foi transferido para o Instituto Médico Legal (IML).

O objetivo da operação que levou 80 policiais militares à favela de Antares, por volta das 6h deste domingo, não foi informado pela Secretaria de Segurança, que tampouco confirmou se há outros mortos e feridos em consequência do tiroteio.

"O repórter cinematográfico foi atingido no peito em pleno exercício de sua profissão", confirmou nesta manhã, o Grupo Bandeirantes, que lamentou a morte do profissional. Segundo a nota, ele "foi atingido "por um tiro de fuzil, provavelmente disparado por um traficante", durante a operação, na qual "o funcionários estava de colete à prova de balas - modelo permitido pelas Forças Armadas, sempre usado por profissionais da Band em situações como esta". Gelson Domingos tinha 46 anos.

Tudo o que sabemos sobre:
violênciaRiotráficofavela

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.