Cipestres fossilizados raros são encontrados na Hungria

As árvores de pântano datam do fim do período Mioceno, de 8 milhões de anos atrás

REUTERS

31 Julho 2007 | 12h03

Cientistas húngaros disseram na terça-feira que descobriram um grupo de árvores cipestres de pântano preservadas de 8 milhões de anos atrás que podem fornecer pistas sobre o clima dos tempos pré-históricos. Em vez de petrificarem -transformando-se em pedra - a madeira das 16 árvores Taxodium foi preservada em uma mina de carvão, permitindo a cientistas estudarem amostras como se elas fossem pedaços cortados de uma árvore viva. "A importância do achado é que muito árvores foram preservadas em suas posições originais em um único lugar", disse Alfred Dulai, geólogo no Museu de História Natural Húngaro. "Mas a verdadeira raridade sobre estas árvores é que... suas madeiras originais foram preservadas... elas não viraram pedra". As árvores, que medem de 4 a 6 metros de altura e de 1,5 a 3 metros de diâmetro, foram encontradas quando mineiros começavam a remover uma grande camada de areia em uma mina no vilarejo de Bukkabrany, no nordeste do país, para alcançar depósitos de linhita. As árvores datam do fim do período Mioceno da era terciária, quando a área, onde é a Hungria hoje, era um lago de água doce cercado por pântanos. (Por Krisztina Than)

Mais conteúdo sobre:
MUNDO HUNGRIA CIPESTRES FOSSILIZADOS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.