Cirurgia em menina de quatro pernas é bem-sucedida

Lakshmi, de 2 anos, nasceu com membros de gêmea siamesa não desenvolvida

BBC Brasil, BBC

07 de novembro de 2007 | 07h20

Os médicos que operaram uma menina indiana nascida com quatro pernas e quatro braços anunciaram nesta quarta-feira, 7, que a cirurgia foi bem-sucedida. Lakshmi Tatma, de 2 anos, era ligada pela pelve a uma gêmea siamesa que não se desenvolveu completamente. "O quadro dela é estável e ela passa bem", disse a chefe da equipe de cirurgiões, Sharan Patil, durante uma entrevista coletiva exibida ao vivo em vários canais de televisão da Índia. Segundo a médica, Lakshmi está respirando com a ajuda de um aparelho especial e ficará em observação por mais dois ou três dias. "Estou otimista em relação as chances de ela sobreviver", afirmou Patil. A cirurgia, em um hospital da cidade de Bangalore, durou 27 horas e terminou nas primeiras horas desta quarta-feira, envolvendo mais de 30 especialistas. A operação consistiu em separar órgãos vitais e membros que uniam as duas gêmeas, como a coluna vertebral e os rins. Os médicos esperam que, com o procedimento, Lakshmi possa viver além da adolescência, algo que talvez não fosse possível se ela fosse deixada com os membros extras. A menina nasceu em um pequeno vilarejo no Estado de Bihar. Alguns dos moradores locais acreditavam se tratar da reencarnação da deusa indiana da riqueza, Lakshmi, cuja imagem é conhecida pelos múltiplos braços e pernas. Gêmeos siameses são raros - um caso ocorre a cada 200 mil nascimentos. Eles se originam de um único óvulo fertilizado, portanto são sempre idênticos e do mesmo sexo. A taxa de sobrevivência em casos como este é de 5 a 25%. Registros médicos dos últimos 500 anos dão detalhes de 600 pares de gêmeos siameses que sobreviveram - mais de 70% deles era de meninas.   BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.