Ciúmes destruiu casamento

Maria Islaine e Fábio Willian Soares se conheceram em 2004. Fãs de moto, frequentavam o mesmo motoclube de Belo Horizonte. Apaixonados, decidiram dividir o mesmo teto no início do namoro. Passaram a morar num quarto nos fundos da borracharia do rapaz.

, O Estadao de S.Paulo

25 de janeiro de 2010 | 00h00

Um ano depois, o casal se mudou para o apartamento que comprou no mesmo bairro. Maria Islaine fez um curso de cabeleireiro e montou seu salão no quarto que havia dividido com o marido.

Segundo os irmãos da cabeleireira, ela sempre foi apaixonada pelo borracheiro, embora desde o início do relacionamento ele tenha demonstrado ser ciumento e explosivo. As brigas eram testemunhadas pelos vizinhos. O casamento acabou em 2008.

Mesmo separados, eles continuavam em contato. Até porque ela não mudou seu salão de endereço. Brigavam por telefone ou por mensagens de celular.

"Ela vivia atormentando a família toda", afirmou a irmã do assassino, Luciana Soares. "Registrava denúncia contra ele num dia e no outro já estava com ele." Soares, que tem porte legal de arma, não tem antecedentes criminais. Pelo crime de homicídio duplamente qualificado (por motivo fútil e impossibilidade de defesa da vítima), ele poderá ser punido com prisão de 12 a 30 anos. O inquérito deverá estar concluído até dia 30.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.