Clérigo ''congela'' atividades de milícia xiita no Iraque

Moqtada Sadr afirma que vai parar atividades do Exército Mehdi para reorganizá-lo.

BBC Brasil, BBC

03 de setembro de 2007 | 12h53

O clérigo radical xiita Moqtada Sadr disse nesta quarta-feira que está congelando as atividades da milícia Exército Mehdi por até seis meses para reorganizá-la.Ele também pediu que todos os escritórios da milícia cooperem com as forças de segurança e exerçam o "auto-controle".Especialistas avaliam que a medida é uma tentativa de Moqtada Sadr de reconquistar o controle sobre sua milícia, que está dividida.A ordem foi lida por um assessor de Sadr em uma entrevista coletiva para a imprensa em Karbala, onde conflitos na terça-feira deixaram mais de 50 mortos.A polícia culpou o Exército Mehdi pela violência. A milícia negou qualquer envolvimento. Um toque de recolher foi decretado na cidade."Declaramos o congelamento do Exército Mehdi, sem exceção, para reabilitá-la de forma a resguardar sua imagem ideológica dentro de um período máximo de seis meses, começando a partir do dia em que este anúncio é decretado", disse o assessor do clérigo, o xeque Hazim al-Araji.Em Najam, outro porta-voz do grupo disse que a medida inclui "suspender o uso de armas contra ocupadores".Em abril deste ano, o departamento de Defesa dos Estados Unidos descreveu o Exército Mehdi como a maior ameaça à segurança do Iraque, na frente da Al-Qaeda iraquiana.Nos últimos meses, a milícia dividiu-se em facções autônomas. Algumas delas, segundo os Estados Unidos, são armadas e treinadas pelo Irã.O Exército Mehdi foi criado por Sadr no verão de 2003 para proteger autoridades religiosas xiitas na cidade de Najaf.A milícia fez forte oposição à coalizão liderada pelos Estados Unidos e participou de diversos levantes contra as forças de segurança em abril e agosto de 2004.O Exército Mehdi tornou-se uma das maiores forças armadas em Bagdá e no sul do Iraque, com cerca de 60 mil integrantes, segundo um relatório do grupo Iraq Survey Group, de dezembro de 2006.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.