Cliente, não faça!

Não há nada que irrite mais um sommelier que um cliente que não entende de vinhos, mas faz cena de connoisseur. Pega a taça pela haste (isto quando não pelo bojo) e levanta acima dos olhos à procura da luz. Ou, pior, reclama que a bebida está estragada quando, na verdade, o vinho não é bem o que ele esperava.

Patrícia Ferraz e Janaina Fidalgo, O Estado de S.Paulo

08 Setembro 2011 | 00h19

Pedir a ajuda do sommelier não é demérito. Ele fez a carta, conhece o cardápio e está ali justamente para ajudar. E se for bom, em poucos minutos vai descobrir o tipo de bebida de que você gosta e quanto pretende gastar. Comunicação clara é a garantia de um bom desfecho nessa relação. "Há clientes que pedem um vinho suave quando querem dizer leve", diz Gianni Tartari, sommelier que já passou pelo Gero, Fasano e Enoteca Fasano. "A negociação tem de ser clara para os dois lados. O cliente precisa perder o medo de falar com o sommelier. Dizer o que gosta de beber, especificando ou o país, ou a região, ou a uva."

E como deixar claro quanto você pretende gastar? "Existem formas de falar de dinheiro sem falar de valores. Quando alguém diz o que costuma beber, o sommelier identifica a faixa de preço e dá duas opções, uma no teto e outra no piso, para ele escolher."

Outro "fora" comum é o cliente pedir decantação quando não é necessário. "Se pedem para decantar um vinho barato, a gente simplesmente decanta. Já aprendi que tentar argumentar não compensa o desgaste. Se o cliente não conhece vinhos, não vai adiantar discutir", diz Tiago Locatelli, do Varanda Grill.

Isto quando o vinho não é "bochechado" como se fosse um antisséptico bucal. "Tem gente que só falta fazer gargarejo", diz Daniela Bravin, que foi sommelière nos restaurantes de Benny Novak.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.