'Clima é mais tenso do que na última reunião'

Ministro anfitrião do encontro da Unasul diz que cenário regional piorou desde setembro e desafios são maiores

Entrevista com

João Paulo Charleaux, O Estadao de S.Paulo

27 de novembro de 2009 | 00h00

Entrevista

Javier Ponce: ministro da Defesa do Equador

O clima desta reunião da Unasul é mais tenso que o da anterior?

Sim, está realmente mais tenso. Os problemas entre Colômbia e Venezuela estão mais agudos, além da tensão entre Chile e Peru, que é um caso ainda não resolvido.

O acordo militar entre Washington e Bogotá ainda interfere?

É justamente a origem da tensão entre Colômbia e Venezuela. Trata-se de um problema que ainda está para ser revolvido com a adoção de medidas de confiança mútua.

Mesmo com toda a pressão, a Colômbia assinou o acordo com os EUA. O que a Unasul ainda pode fazer em relação a isso?

Vamos insistir para que todo membro da Unasul que faça um acordo militar com um país de fora da região dê garantias de que isso não afetará a soberania dos Estados vizinhos.

A Colômbia acusa a Unasul de ser leniente com as declarações belicistas da Venezuela.

Nós já dissemos ao chanceler colombiano que o fato de estarmos realizando a reunião da Unasul é uma prova de que não estamos ignorando o tema. Mas está claro que a organização ainda não tem todos os instrumentos necessários para agir nestes casos.

O documento final da reunião anterior foi ininteligível. O que o sr. pensa desse documento?

Em que sentido foi enigmático?

Ele não tem resoluções concretas, aponta intenções genéricas.

Discordo. Acho que ele era bem claro sobre a solicitação de esclarecimentos sobre a presença americana na Colômbia, além de pedir a adoção de medidas de confiança mútua.

Colômbia e Peru ficaram isolados de lá para cá?

A situação da Colômbia na última reunião foi muito difícil porque os 11 países pediam medidas de confiança mútua, mas a Colômbia impediu que se adotasse esse mecanismo. Já o Peru é um caso diferente.

O Peru propõe que a Unasul tenha sua força de paz. Isso é possível?

É uma proposta que vale a pena ser analisada seriamente.

Seria uma força parecida com a que existe hoje no Haiti?

É uma ideia semelhante.

O fato de a região ter vivido tantas ditaduras militares ainda dificulta o diálogo na área de defesa?

A região tem uma história forte de regimes militares e ditaduras. Ainda estamos amadurecendo o processo de redemocratização. Os temas militares e de defesa são, evidentemente, os mais delicados.

O caso de Honduras seria um exemplo disso? E como o sr. vê o papel dos EUA nesta crise?

É preciso que haja coerência entre os pronunciamentos do presidente americano, Barack Obama, e do Executivo. A questão das bases na Colômbia e da reabilitação da Quarta Frota são dois exemplos de que a política americana não mudou muito. O golpismo acabou se impondo finalmente e os EUA têm responsabilidade nisso.

Isso opõe EUA e América do Sul?

Sim, porque aqui houve uma condenação unânime ao golpe.

E será discutido na Unasul?

É possível, mesmo não estando na agenda oficial.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.