Clima está bom para a safra de verão

Chuva e calor ajudam no desenvolvimento das lavouras de soja, milho e algodão já semeadas em todo o Estado

Fábio Marin, O Estado de S.Paulo

05 Novembro 2008 | 02h38

Tempo chuvoso e muito calor marcaram a semana na maior parte do Estado de São Paulo. Em Barretos, Franca, Ilha Solteira e Jaboticabal a umidade do solo ficou em torno de 10 milímetros por causa das taxas de evapotranspiração, acima de 4 milímetros por dia. Nas demais localidades, o armazenamento hídrico médio do solo está acima de 55% da capacidade máxima de retenção, indicando condições favoráveis ao desenvolvimento inicial das lavouras de soja, milho e algodão já semeadas. Este nível de umidade também é bom para o preparo do solo nas áreas em sistema de plantio convencional, com baixo risco de compactação. Desde o início da primavera, o regime de chuva e temperatura vem favorecendo as pastagens da maior parte do Estado, mas a tendência de baixa nos preços do boi gordo e do leite tem sido a principal dificuldade para os pecuaristas de corte e de leite. A chuva bem distribuída também favorece a formação dos frutos que estão ainda em fase inicial de desenvolvimento e que serão colhidos na próxima safra. Durante a semana, o forte calor aumentou a demanda por laranja de mesa e por suco, mantendo a cotação do produto apesar do aumento na oferta da fruta para as indústrias. Nos canaviais, a chuva favoreceu as áreas já colhidas, dando boas condições para a rebrota e o crescimento da cana-de-açúcar. Entretanto, a chuva dificultou a colheita e o transporte nas áreas prontas para colheita. Em outubro, a chuva foi responsável por uma pequena redução no volume processado e também causou redução no rendimento industrial, com queda na concentração de açúcares. PRAGAS E DOENÇAS A associação do calor com a alta umidade do ar favorece a propagação de doenças nos cafezais de Franca, Espírito Santo do Pinhal e São José do Rio Pardo, exigindo atenção dos produtores para evitar perdas de produtividade na próxima safra. O tempo chuvoso também dificulta o controle fitossanitário nos bananais de Iguape, Registro e Juquiá, e nas parreiras de Jundiaí, Indaiatuba e Vinhedo. Atrasou ainda a colheita nos pomares de pêssego, nêspera e acerola de Mogi das Cruzes, Valinhos e Junqueirópolis. *Fábio Marin é pesquisador da Embrapa Informática Agropecuária. Para mais informações sobre tempo e clima, acesse www.agritempo.gov.br

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.