Clima festivo reúne várias tribos na Paulista

Um dos símbolos da capital, a Avenida Paulista tornou-se também "cartão-postal" do Movimento Passe Livre em 2013. Depois de um quebra-quebra que quase manchou as marchas, na terça-feira da semana passada, os manifestantes ocuparam seguidamente a via - de forma pacífica e alegre. Nos últimos dois protestos, o lugar transformou-se em um imenso bulevar colorido e pacífico, com jovens se vendo e sendo vistos pelas redes sociais enquanto protestavam. Bancários engravatados, enfermeiras com bandeiras do Brasil, professores, ativistas de direitos humanos e jovens recém engajados tomaram a via e tentaram, de alguma forma, mostrar o clima festivo das manifestações.

DIEGO ZANCHETTA E BRUNO PAES MANSO, Agência Estado

20 de junho de 2013 | 08h41

Até os mais politizados e os que estavam à frente dos confrontos na semana passada agora se contagiam pelo clima de "jogos universitários" do lugar, onde a cerveja e o violão ditam o embalo da concentração no Masp. "É como se fosse um Facebook de pernas. Todo mundo resolveu ?postar? sua indignação na Paulista", resumia na noite de quarta-feira a jovem Renata Guerra dos Santos, de 22 anos, estudante de Ciências Sociais da Universidade de São Paulo (USP).

Pais e filhos

A maior parte das 30 mil pessoas que foi à Paulista na terça-feira queria mostrar que a onda de protestos tem seu "lado do bem". Elas subiram a Rua da Consolação para celebrar em paz. Eram pessoas como o bancário Paulo Meira, de 39 anos, que levou o filho de 6 nas costas, de cara pintada em verde e amarelo e bandeira do Brasil, que até chegou a ser contrário ao protesto da semana passada. "Não vale a pena fazer a cidade parar só pelos R$ 0,20 da tarifa de ônibus. É que agora o protesto é por um Brasil melhor em todos os sentidos. Quero que meu filho viva esse momento", celebrava.

Também de cara pintada e bandeira nacional, a enfermeira Valéria de Oliveira Radowski, de 42 anos, levava a filha de 12 para ver o protesto. "Ela queria de todo jeito ver a festa aqui na Paulista. Acho importante ajudar a acabar com toda essa corrupção por aí", dizia a enfermeira, cercada por outros médicos e profissionais que trabalham em hospitais da região e resolveram aderir às manifestações - cuja realização sempre motivos queixas, uma vez que a Paulista é um corredor de hospitais.

Boas-vindas e azaração. Ao lado, grupos de jovens de diferentes classes sociais queriam unir protesto e azaração na Paulista. E os "engajados" do Passe Livre deram boas-vindas a todas as vertentes - afinal foi ali, do lado do Masp, que em 2006 um grupo de estudantes ligados ao MPL fez um dos seus primeiros panfletaços, para lutar contra o aumento da tarifa, de R$ 2 para R$ 2,30. "Quanto mais gente, mais poder de negociação para reduzir a tarifa nós vamos ter", argumentava Rodrigo Mazone, de 21 anos. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
protestosAvenida Paulistafesta

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.