CNBB lamenta decisão do STF sobre células-tronco

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) divulgou nota lamentando a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de liberar as pesquisas científicas com células-tronco embrionárias criadas por fecundação in vitro e consideradas inviáveis (para reprodução). A nota afirma que o embrião é "uma vida humana, segundo asseguram a embriologia e a biologia", e que, por isso, "tem direito à proteção do Estado." Segundo a entidade representativa dos bispos do Brasil, "é lamentável que o STF não tenha confirmado esse direito cristalino, permitindo que vidas humanas em estado embrionário sejam ceifadas."O documento é assinado pelo presidente da CNBB e arcebispo de Mariana (MG), Geraldo Lyrio Rocha, pelo vice-presidente da entidade e arcebispo de Manaus (AM), Luiz Soares Vieira, e pelo secretário-geral e bispo-auxiliar do Rio de Janeiro (RJ), Dimas Lara Barbosa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.