Coalhou e continua fresca

Cremosa e refrescante, a coalhada vai bem no pão, na colher, na massa, no quibe... Faz sucesso do Oriente Médio às estepes russas, dos Bálcãs a São Paulo. O Paladar conta a história desse laticínio que há milênios acompanha a aventura humana

Luiz Henrique Ligabue,

19 de março de 2009 | 10h15

Fresca, não. Fresquíssima. Seja in natura ou seca. A grande diferença estará na textura e na concentração do sabor. Lisa, homogênea, firme ao toque, alva e vigorosa. Eis a coalhada fresca. Ou então, mais consistente, rija, aerada e até um pouco áspera, mas ainda homogênea e cremosa - essa é a coalhada seca, que varia conforme o tempo de maturação.A receita é simples. Combine-se leite, calor e algumas bactérias e se chegará à coalhada. E foi provavelmente assim, dessa combinação acidental, que a coalhada surgiu, na Ásia Central, entre as tribos nômades que tinham o costume de carregar leite em suas viagens. Um dos primeiros registros da presença da coalhada no Ocidente ressalta o caráter "milagroso" do leite fermentado pelas bactérias. Pelas mãos de um médico judeu de Constantinopla, o misterioso leite curou a dor de barriga que durante anos afligiu o rei da França François I, que viveu no século 15. Turcos e búlgaros são os detentores históricos dos mistérios que envolvem a boa fermentação. E foi da região onde vivem que saíram as bactérias usadas industrialmente para o desenvolvimento do iogurte nos países ocidentais. Veja também:Receita de coalhadaQual o segredo da sua?Palavra da especialistaOutras receitas da chef Anissa Helou:Fatteh VegetarianoMolho básico de coalhadaFatthe GhanamLeban Emmoh Se você faz confusão entre coalhada e iogurte, fique sabendo que existe, de fato, uma diferença entre eles. O leite fermentado em casa leva o nome de "coalhada", enquanto o termo "iogurte" é empregado para a versão industrializada e vem da palavra em inglês yogurt, corruptela do turco íuHrt.Na boca, um leve toque ácido faz o pano de fundo para que aquela massa láctea, untuosa, consistente e fina gele seu palato e faça você salivar. A coalhada combina perfeitamente com uma fatia de pão e um fio de azeite. E não por acaso serve de base para uma infinidade de pratos da cozinha árabe. Detalhe: para os orientais ela faz parte do mundo salgado. Servi-la como doce, é aculturação, como adverte Xmune Isper, a libanesa cozinheira da Tenda do Nilo, em São Paulo. A coalhada búlgara tem a fama de ser a melhor do mundo. E há indícios científicos para isso: alguns micro-organismos só conseguem se desenvolver em condições existentes nos Bálcãs. E eles fazem toda a diferença. Mas, as mães orientais (e ocidentais também: mães não têm Denominação de Origem Controlada) não costumam respeitar as certezas científicas e, alheias a elas, preparam suas coalhadas que fazem a festa de judeus, persas, paquistaneses, hindus, afegãos, brasileiros...Como aqui também se faz a cremosa da boa, Paladar foi atrás dos segredos de três endereços da cidade, onde a coalhada vale a visita: Arabia, Halim e Tenda do Nilo. A conclusão é que a coalhada não é difícil de fazer, mas, como em tudo que é extremamente simples, a diferença está nos detalhes.

Tudo o que sabemos sobre:
Paladarcoalhada

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.