Coelho na orelha de Mandela revolta governo sul-africano

O governo da África do Sul declarou guerra a um coelho esculpido dentro da orelha de uma enorme estátua do ex-presidente Nelson Mandela, inaugurada no mês passado.

Reuters

23 de janeiro de 2014 | 14h42

O governo disse que a criatura deve ser retirada para "restaurar a integridade" da estátua de bronze de 9 metros do herói anti-apartheid, que morreu aos 95 anos no dia 5 de dezembro.

A estátua, a maior representando Mandela no mundo, foi inaugurada na sede do governo sul-africano 11 dias após a sua morte.

Os artistas Ruhan Janse van Vuuren e Andre Prinsloo afirmaram que acrescentaram o animal como uma marca pessoal, depois que o governo os impediu de colocar as suas assinaturas na estátua de 4,5 toneladas, e como uma referência ao prazo curto que eles tiveram para fazer o trabalho.

A palavra para coelho em africâner é "hass", que também significa pressa.

"O coelho é simbólico e representa a pressa com a qual tivemos que fazer a estátua", disse Prinsloo ao jornal Beeld. Os artistas se desculparam pela referência.

O coelho escondido foi descoberto na semana passada pelo Beeld, um mês depois da inauguração da escultura em Pretória.

Mogomotsi Mogodiri, porta-voz do Departamento de Artes e Cultura, disse que o governo não considerou apropriada a adição do animal e rejeitou a sugestão de que Mandela, conhecido pelo seu senso de humor, pudesse achar a situação engraçada.

(Reportagem por David Dolan e Ed Cropley)

Mais conteúdo sobre:
AFRICADOSULMANDELAORELHACOELHO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.