COI proíbe que tocha olímpica deixe país-sede de jogos

Decisão foi motivada por protestos durante passagem da chama por vários países antes dos jogos de Pequim.

BBC Brasil, BBC

27 de março de 2009 | 10h06

O Comitê Olímpico Internacional (COI) anunciou que a tocha olímpica não passará mais por vários países antes do início dos jogos.

Segundo o órgão, todos os países que forem escolhidos a partir de agora para sediar jogos olímpicos terão de assinar um contrato que prevê que a chama não sairá de suas fronteiras.

A medida acaba com o tradicional percurso em revezamento da tocha partindo da Grécia, o berço dos Jogos Olímpicos, rumo à cidade que sedia as Olimpíadas.

A decisão foi tomada depois dos episódios do ano passado, em que a passagem da tocha por países como Grã-Bretanha, França, Estados Unidos e Austrália se transformou em palco de protestos contra a ocupação do Tibete pela China, cuja capital, Pequim, foi a sede das Olimpíadas de 2008.

Para o correspondente de esportes da BBC Alex Capstick, as manifestações foram constrangedoras para membros do COI e para os organizadores dos jogos.

O diretor-executivo do órgão, Gilbert Felli, disse que o comitê conclui que "é muito mais fácil de controlar quando a tocha é mantida dentro do país-sede".

O órgão informou que autoridades encarregadas das próximas Olimpíadas de Inverno no ano que vem, em Vancouver, já teriam concordado dar uma volta com a tocha apenas por cidades canadenses.

Ainda de acordo com o COI, os organizadores dos próximos Jogos Olímpicos, em 2012, em Londres, também não têm planos de levar a tocha para fora das fronteiras britânicas.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Mais conteúdo sobre:
tocha olímpicaCOI

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.