Coisas que eu queria saber aos 21

Quando vi o resultado do vestibular, chorei. Tentei Medicina na USP e na EPM, atual Unifesp. Mas só passei na terceira opção, Ciências Biomédicas na Unifesp. Meu pai disse para eu dar uma chance ao curso. Se não gostasse, poderia tentar Medicina de novo. Ainda bem que ouvi o conselho.

, O Estado de S.Paulo

25 de abril de 2011 | 00h00

Comecei a me apaixonar pela faculdade nas primeiras aulas. Fiz parte da segunda turma da graduação, que era inédita, não tinha nem registro! Entrei na Unifesp em 1967. Tinha voltado da Pensilvânia, onde fiz o último ano do ensino médio com bolsa da American Field Service. Ganhei bolsa para o college, mas preferi voltar.

Na faculdade, discutíamos literatura e cinema. Éramos adolescentes dando uma de intelectual, como se tivéssemos autoridade para avaliar (o cineasta sueco Ingmar) Bergman! Também protestamos contra a ditadura. Foi uma época horrorosa. Invadiram repúblicas, torturaram colegas e professores.

Antes da formatura, cursei Licenciatura em Biologia na USP, para aprender psicologia e técnicas de ensino. Estava na segunda graduação quando iniciei doutorado em Biologia Molecular na Unifesp - pulei o mestrado por decisão do orientador. Defendi tese em dezembro de 1974. Poderia ter sido antes, só que, se fizesse isso, perderia a bolsa da Fapesp e não havia financiamento para estudo no pós-doutorado. Com tempo para aprimorar o trabalho, emplaquei artigos em revistas.

Fiz o pós-doutorado na University of Southern California com bolsa de um programa americano. De novo, quiseram que eu ficasse. De novo, voltei. Achei que lá seria mais uma e, aqui, talvez ajudasse a construir o ambiente das ciências.

Sei que sou boa cientista, mas me orgulho mesmo é das pessoas que formei, ex-alunos que têm posições de destaque aqui e lá fora. É de cortar o coração ver que muitos não têm as oportunidades que tive. A luta para melhorar a educação é da sociedade, não só do governo. E nós, cientistas e professores, precisamos nos envolver mais, conscientizar pessoas do seu direito à educação de qualidade."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.