Coisas que eu queria saber aos 21

Em 1964, eu tinha 21 anos e era seminarista em Itaici, perto de Campinas. Era um momento em que sonhos de transformações sociais eram fortes. Sentia um compromisso com a melhoria da vida, da sociedade, que obviamente tinha a ver com o quadro político. Preferi seguir o caminho religioso para contribuir com as mudanças. Sempre vi a religião como uma maneira de atuar servindo aos outros.

, O Estado de S.Paulo

26 de julho de 2011 | 00h00

Em março daquele ano, estava recolhido no seminário quando recebi a notícia de que tinha havido uma revolução. Quando soube quem eram os líderes daquele processo, pensei que aquilo não era revolução, mas contrarrevolução.

A elite intelectual e os sindicalistas protestavam, além de estudantes secundaristas. Mas uma parte da juventude curtia o momento de outra maneira, ouvindo Jovem Guarda, frequentando a Rua Augusta. E outra parcela estava envolvida com a direita. Lembro como se fosse hoje do conflito entre alunos da USP e do Mackenzie, na Rua Maria Antônia, em 68. Vi arruaça, correria, gente nos prédios do Mackenzie dando tiros para baixo. Terrível.

A Igreja voltava seus olhos para a pobreza na América Latina, África e Ásia. Acabaram as missas em latim e a instituição se modernizou. Aos 24 anos, decidi sair do seminário. Dos 34 que entraram comigo, só um ficou. Mas não deixei a Igreja por uma paixão. O celibato não era uma questão, não era o maior dos meus motivos.

Saí do seminário onde estudava Filosofia e procurei o curso de Ciências Sociais da Faculdade Anchieta, no Colégio São Luís. Na mesma época, prestei concurso para o Sesc e passei. A instituição chamava minha atenção porque tinha compromisso acentuado com o outro. Houve um encontro dos meus ideais e o lado profissional.

Comecei a trabalhar na unidade da Rua Doutor Vila Nova, na Consolação. Depois, cursei uma especialização em Administração de RH na PUC e depois outra para Diretores de RH, na FGV.

Acredito que o compromisso com o público, com caráter educativo, verdade, ética, tem de ultrapassar o lado público no País. Sou um vigoroso defensor e chato cobrador dessa perspectiva. Por outro lado, não tenho a visão de que tudo antigamente era melhor, aquela coisa saudosista. Tudo está dentro de um processo."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.