Colômbia planeja incluir ecstasy em lista de drogas descriminalizadas

País prepara nova lei para mudar política do governo de combate ao uso e ao tráfico de entorpecentes.

BBC Brasil, BBC

30 de janeiro de 2013 | 08h36

A ministra da Justiça da Colômbia, Ruth Stella Correa, anunciou que o ecstasy será incluído na lista de drogas que deve ser descriminalizada no país, segundo o projeto de lei que o governo planeja enviar em breve ao Congresso.

A proposta do governo substituiria as leis atuais, que criminalizam o uso de maconha e da cocaína, embora a posse em pequenas quantidades seja tolerada.

O projeto faz parte de uma nova política do governo para combater o uso e o tráfico de entorpecentes.

Um dos maiores produtores de drogas do mundo, a Colômbia vem sofrendo nas últimas décadas com crimes relacionados ao tráfico internacional.

A inclusão do ecstasy nas drogas descriminalizadas, no entanto, é motivo de crítica por parte de opositores.

A declaração da ministra ocorreu após encontro com uma comissão que discute a política de drogas adotada pelo país na última década.

Um dos integrantes é o ex-presidente César Gavíria, que faz parte de um movimento internacional que defende a descriminalização das drogas, com o apoio do ex-colega brasileiro Fernando Henrique Cardoso.

O movimento argumenta que a chamada "guerra às drogas", lançada nos anos 1980, só aumentou a violência no continente e não reduziu o consumo.

Negócio

Críticos da descriminalização das drogas argumentam que a nova lei só vai facilitar o consumo e aumentar a violência. Já aliados do governo, como o Partido Verde, argumentam o contrário.

"O problema na Colômbia é com drogas como maconha e cocaína", disse o senador Roy Barreras à Rádio Caracol. "As rotas do tráfico de drogas dependem fundamentalmente da cocaína, e a descriminalização no mundo só daria fim ao negócio."

A inclusão do ecstasy na lista das drogas toleradas também causa confusão sobre outros entorpecentes como a metanfetamina, também sintética. Outros argumentam que a heroína também deveria ser incluída.

A política de drogas na Colômbia ganhou nova abordagem após a Suprema Corte decidir, há dois anos, que o pequeno porte de entorpecentes para uso pessoal não era passível de punição.

O governo do presidente Juan Manuel Santos também tem mostrado uma posição mais liberal sobre o tema, abrindo o debate na sociedade colombiana. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Tudo o que sabemos sobre:
alsointernacionalcolombiadrogas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.