Com 2ª cota do volume morto, Cantareira cai para 13,4%

São Paulo, 25 - O volume de água armazenado no sistema Cantareira apresentou nova queda neste sábado (25), de 13,6% para 13,4% da capacidade total dos reservatórios, segundo dados da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp). O índice já inclui a segunda reserva técnica, o chamado "volume morto", que começou a ser contabilizado pela Sabesp nesta sexta-feira (24). Antes da adição da reserva, o nível do sistema estava em apenas 3%, o mais baixo da história.

GABRIELA VIEIRA, Estadão Conteúdo

25 de outubro de 2014 | 15h17

Em nota divulgada ontem, a Sabesp afirmou, porém, que o volume adicional ainda não está sendo bombeado. Isso porque a companhia ainda conta com 28 bilhões de litros da primeira parte da reserva técnica. Na semana passada, a Agência Nacional de Águas (ANA) informou que concordou com o pedido da companhia para utilizar a segunda cota do volume morto, por avaliar que a medida "se demonstra necessária em função da severa estiagem que levou à redução acentuada das vazões afluentes ao Sistema Equivalente neste ano".

O site de monitoramento da Sabesp indica uma pluviometria de 5,3 milímetros (mm) sobre a região do sistema neste sábado. Ainda assim, no acumulado de outubro, o volume de chuvas sobre os reservatórios soma 30,5 mm, menos de 25% da média histórica para todo o mês.

Outros mananciais que abastecem a Grande São Paulo também apresentam uma situação crítica. Neste sábado, o nível do Alto Tietê também caiu, de 8% para 7,8%. Desde o início deste ano, o manancial é utilizado para abastecer regiões antes atendidas pelo Cantareira. Ainda segundo o site da companhia, não há previsão de chuvas para hoje sobre este sistema. Em outubro, a pluviometria acumulado sobre o Alto Tietê é de 18,8% mm, apenas 16% da média histórica para todo o mês.

O agravamento da crise hídrica em São Paulo foi um dos temas abordados no último debate entre os dois candidatos à Presidência, promovido na noite de ontem pela TV Globo. A candidata à reeleição Dilma Rousseff (PT) questionou o adversário Aécio Neves (PSDB) sobre a falta de planejamento da gestão do tucano Geraldo Alckmin.

Aécio respondeu, como em outras vezes, argumentando que a crise de abastecimento no Estado é culpa da falta de planejamento e parceria do governo federal.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.