Combates se intensificam no Sudão em dia de referendo

Nômades árabes armados entraram em confronto com tribos pelo terceiro dia seguido neste domingo na disputada região sudanesa de Abyei, deixando um número desconhecido de mortos, informaram autoridades, horas depois do início da votação num referendo pela independência do Sul do país.

REUTERS

09 de janeiro de 2011 | 14h31

Analistas disseram que Abyei é o local mais provável onde poderia haver um ressurgimento da violência mais de cinco anos após um acordo de paz que encerrou décadas de guerra civil entre o Norte e o Sul. Esse acordo permitiu que o Sul realizasse, a partir deste domingo, um referendo sobre a separação.

O administrador-chefe de Abyei, Deng Arop Kuol -- que é sulista-- disse à Reuters que combatentes árabes da tribo Misseriya atacaram o vilarejo de Maker por volta do meio-dia (horário local) deste domingo. Os ataques anteriores ocorreram na aldeia vizinha de Miokol, deixando um morto na sexta-feira e um número desconhecido de feridos no sábado, disse ele.

"O combate a partir de hoje e ontem foi pesado -- ambos os lados sofreram perdas... Foi a (tribo) Misseriya, mas há fortes indícios de que alguns elementos da SAF (as Forças Armadas do Sudão, grupo do Norte) foram identificados", disse ele.

Um funcionário da Organização das Nações Unidas (ONU), que não quis ser identificado, confirmou que os ataques aconteceram durante os três dias.

Mohamed Omer al-Ansary, um alto oficial da Misseriya, afirmou que seus homens haviam se envolvido em confrontos neste domingo e no sábado, mas insistiu que eles foram atacados primeiro por soldados do Sul.

"Houve uma emboscada (neste domingo). Duas pessoas da Misseriya foram mortas", afirmou, acrescentando que sulistas estavam tentando impedir que os nômades alimentassem seus animais.

Um porta-voz do Exército do Norte confirmou que os confrontos aconteceram entre as tribos Misseriya e Dinka, mas negou qualquer envolvimento das Forças Armadas.

"A Misseriya lutou sozinha", disse ele. O porta-voz acusou o Exército de Libertação do Povo do Sudão (SPLA, na sigla em inglês) -- do Sul do país-- de oferecer armas à tribo Dinka Ngok, de Abyei.

Tanto o Norte quanto o Sul do Sudão reivindicam Abyei, território fértil na região central do país, na fronteira comum usado tanto pela Dinka Ngok, do Sul, quanto pelos nômades árabes da Misseriya, ligada ao Norte.

O status da região não foi definido em um acordo de paz de 2005, que pôs fim à guerra civil e estabeleceu um referendo sobre se o Sul deveria se separar do Sudão -- votação que começou neste domingo.

(Reportagem de Andrew Heavens e Klaled Abdel Aziz))

Tudo o que sabemos sobre:
SUDAOCOMBATESREFERENDO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.