Começa etapa de vacinação para gestantes

A partir de segunda-feira, pessoas com doença crônica também receberão a dose

Karina Toledo, O Estadao de S.Paulo

20 de março de 2010 | 00h00

Começa depois de amanhã a segunda etapa da vacinação contra a gripe suína, que visa à imunização de gestantes, crianças entre 6 e 23 meses e portadores de doenças crônicas com menos de 60 anos.

As gestantes poderão ser vacinadas até o dia 21 de maio. Já a vacinação para crianças e portadores de doenças crônicas terminará em 2 de abril. Para as crianças, a vacina foi dividida em duas doses - a segunda será aplicada 30 dias após a primeira.

No Estado de São Paulo, todas as Unidades Básicas de Saúde (UBS) - cerca de 3,8 mil postos - vão aplicar a vacina. O horário de funcionamento será de segunda a sexta-feira, das 8 horas às 17 horas. Na capital, a rede de Assistência Médica Ambulatorial (AMA) abrirá também aos sábados e feriados, das 7 horas às 19 horas, para a campanha.

No Rio, a vacinação nos dias úteis será feita das 8 horas às 17 horas. Aos sábados, os postos ficarão abertos até as 13 horas. "Essa campanha também tem como público-alvo o adulto jovem. Então, vamos abrir aos sábados para dar oportunidade a quem trabalha e não pode comparecer às unidades nos dias de semana", explicou a coordenadora de Imunização da Secretaria Municipal de Saúde, Cristina Lemos.

Estratégias. Em São Paulo, a estratégia vai variar em cada etapa da campanha, explica Helena Sato, coordenadora de Imunização da Secretaria de Estado da Saúde. "Nesta segunda etapa, por exemplo, as gestantes e os doentes crônicos poderão se vacinar também nos hospitais onde normalmente são atendidos. Já na terceira etapa, que abrangerá adultos de 20 a 29 anos, faremos parcerias com empresas e universidades, como foi feito na campanha de vacinação contra rubéola", diz Helena.

A quarta etapa, para idosos portadores de doenças crônicas, ocorrerá em paralelo à vacinação contra a gripe sazonal. E, na última, para adultos entre 30 e 39 anos, será feita parceria com as empresas, segundo Helena.

A expectativa da secretaria é que sejam imunizados na segunda etapa cerca de 3,68 milhões de pessoas no Estado - 1 milhão só na capital. "Não será exigido atestado médico para obter a vacina, mas recomendamos às gestantes que levem o cartão de pré-natal e aos portadores de doenças crônicas, uma receita do medicamento que tomam para o problema. No caso das crianças, os pais devem levar a carteirinha de vacinação", afirma Helena.

Boatos. Apesar dos boatos que circulam pela internet, especialistas ouvidos pela reportagem afirmam que vacina é segura e só há contraindicação para pessoas que têm alergia a ovo (mais informações na página A30). "Os riscos de complicação da gripe suína são muito maiores do que os riscos de uma reação adversa grave da vacina", afirma a infectologista Nancy Bellei, da Unifesp.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.