Começa o resgate de quatro reféns das Farc

Expectativa é de que ex-congressistas sejam libertados ainda nesta quarta-feira.

Claudia Jardim, BBC

27 Fevereiro 2008 | 13h50

Começou na manhã desta quarta-feira a operação de resgate dos quatro ex-congressistas colombianos que as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) decidiram libertar de maneira unilateral, após há seis anos de seqüestro.A expectativa é de que os ex-congressistas Gloria Polanco de Lozada, Luis Eladio Pérez, Orlando Beltrán e Luis Eduardo Gechem sejam libertados ainda nesta quarta-feira. Dois helicópteros tipo MI de fabricação russa, identificados com o logotipo do Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV), serão utilizados no resgate - que é coordenado pelo governo da Venezuela a pedido das Farc. De acordo com o CICV, as aeronaves já saíram de San Jose de Guaviare, na Colômbia, em direção ao ponto identificado pelas Farc na selva colombiana, onde serão entregues os reféns. "Estamos bastante otimistas, temos as condições favoráveis para que esta operação seja concluída ainda hoje", afirmou à BBC Brasil Yves Heller, porta-voz do CICV. Estado de saúdeO estado de saúde dos ex-congressistas preocupa a comissão de resgate integrada pelo ministro venezuelano de Interior e Justiça, Ramón Rodríguez Chacín, a senadora opositora colombiana Piedad Córdoba, dois médicos e quatro integrantes do CICV. Especula-se que as condições de saúde do ex-congressista Luis Eduardo Gechem, que sofre de problemas cardíacos, seja o mais delicado. "Se o estado de saúde deles permitir, serão trazidos para a Venezuela imediatamente. Caso contrário, teríamos de levá-los a um hospital em Bogotá", disse Yvez Heller. "Mas ainda é cedo para afirmar qualquer possibilidade. É uma situação muito dura para eles e para os familiares."Está previsto que os helicópteros permaneçam no lugar do resgate durante pelo menos duas horas para garantir a segurança do grupo de guerrilheiros encarregados da libertação. O Exército colombiano anunciou um cessar-fogo em uma região de pelo menos 48 km ao redor do local em que serão libertados os ex-congressistas. Estima-se que 18 mil soldados atuem nessa área em operações de combate as guerrilhas. DiplomaciaSe forem trazidos à Venezuela, os reféns deverão ser recebidos pelo presidente Hugo Chávez, que coordena a operação apesar da decisão de seu colega Álvaro Uribe de afastá-lo da mediação do acordo humanitário entre a guerrilha e o governo colombiano. Em janeiro, uma missão semelhante foi organizada para libertar Clara Rojas e Consuelo González de Perdomo, que foram mantidas em cativeiro durante seis anos. Analistas consideram que ao libertar unilateralmente alguns de seus reféns, as Farc pretendem abrir um espaço de diálogo político no campo internacional, já que internamente as condições para uma saída dialogada para o conflito colombiano parecem estar cada vez mais distantes. Desde 2001, o governo de Álvaro Uribe, Estados Unidos e alguns países Europeus passaram a qualificar as Farc como um grupo terrorista.Os ex-parlamentares que podem ser libertados nas próximas horas integram um grupo de 44 reféns que as Farc consideram passíveis de troca em um acordo humanitário que prevê a troca de reféns por guerrilheiros presos. No grupo também está incluída a ex-candidata à Presidência da Colômbia Ingrid Betancourt.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.