Começa sábado mutirão nacional contra câncer de pele

A maior incidência do câncer de pele ocorre em pessoas acima dos 50 anos de idade

AE, Agencia Estado

04 Novembro 2008 | 17h44

A Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) promove no sábado um mutirão gratuito para detecção precoce de câncer de pele. A ação faz parte da Campanha Nacional de Prevenção ao Câncer de Pele, que irá mobilizar 1.500 dermatologistas e 174 unidades de saúde em 23 Estados brasileiros. Em São Paulo são 32 pontos. Para saber qual é o mais perto basta ligar para o telefone 0800-7013187 e fornecer o CEP.Os interessados serão submetidos a exames clínicos, além de receberem orientação sobre os cuidados com a exposição ao sol e prevenção ao câncer de pele. Se houver diagnóstico de lesões, os pacientes serão encaminhados para tratamento especializado, também totalmente gratuito. Os horários de atendimento variam conforme a unidade. Não há necessidade de agendamento prévio das consultas.A maior incidência do câncer de pele ocorre em pessoas acima dos 50 anos de idade. A coordenadora da campanha em São Paulo, a dermatologista Selma Schuartz Cernea, explica que isso se deve à queda natural da imunidade. "Mas há outro fator muito importante: essa geração que está envelhecendo agora tomou muito sol sem proteção, pois antes não se tinha essa noção de cuidado que se tem agora", diz.Os homens também são mais suscetíveis à doença do que as mulheres. Além disso, as pessoas de pele mais branca são mais prejudicadas, porque têm uma produção de melanina menor. "A melanina é um filtro solar natural. A melhor proteção possível", destaca Selma.Protetor solarSegundo uma pesquisa realizada com mais de 31 mil pessoas em todo Brasil pela SBD, quase 70% da população se expõe ao sol sem proteção. Para a dermatologista, isso se deve ao custo elevado dos protetores solares. "Uma possível solução para essa questão seria classificar esses protetores na categoria de remédio, e não de cosmético, como é atualmente. Isso reduziria o imposto e conseqüentemente o preço."De acordo com Sandra, o câncer de pele é o tipo mais comum na espécie humana. Só no Brasil são detectados 120 mil novos casos todo ano. A pesquisa estimou que cerca de 10% da população tem algum dos três tipos de câncer de pele. "A maioria é o câncer do tipo base celular, que raramente sofre metástase e em 90% dos casos tem cura se tratado adequadamente", esclarece a dermatologista.Para o coordenador estadual da Secretaria de Saúde, Ricardo Tardelli, isso é o que torna a campanha tão importante. "A detecção precoce permite um tratamento mais eficaz e aumenta as chances de cura", afirma.

Mais conteúdo sobre:
saúdecâncer de pelecampanha

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.