Comentário sobre estupro rende críticas a Berlusconi

O premiê italiano, Silvio Berlusconi, prometendo mobilizar 30 mil soldados para combater o crime depois de um surto de estupros em Roma, disse no domingo que os estupros vão continuar a acontecer enquanto não houver "tantos soldados quanto meninas bonitas na cidade". O primeiro-ministro de centro-direita foi reeleito no ano passado, prometendo combater o crime. Ele recrutou a ajuda de 3.000 soldados para ajudar a polícia. Ele disse no sábado que vai aumentar este número em dez vezes, o que gerou a crítica de que está criando "um Estado policial". A oposição disse que três casos de estupro particularmente violentos ocorridos em Roma neste mês mostram que a mobilização do Exército não adiantou nada. Berlusconi respondeu no domingo que "essas coisas sempre vão acontecer, mesmo no estado mais militarizado e mais policiado". "Não poderíamos recrutar uma força grande o suficiente para evitar este risco. Teríamos de ter tantos soldados quanto meninas bonitas. Não acho que conseguiríamos", disse a repórteres. Os críticos disseram que o bilionário de 72 anos (cuja mania de flertar com as mulheres em público lhe rendeu reprimendas públicas da esposa) está sendo insolente em relação a uma questão muito séria. "Berlusconi tem de parar de dizer coisas ofensivas sobre as mulheres", disse a ministra da Igualdade Vittoria Franco. "Basicamente, o que ele está dizendo é que as mulheres que saem de casa correm o risco de ser estupradas ou atacadas porque não é possível deixar o país seguro", afirmou. Alessandra Mussolini, política de direita que faz campanha contra as decisões judiciais injustas para as vítimas de estupro, disse: "O fato é que precisamos de muitos soldados porque há muitos homens agindo de forma feia".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.