Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Comerciante evitou que atirassem bomba em restaurante

O comerciante Michel Safi, de 35 anos, conseguiu, com muita conversa, evitar a destruição completa de seu restaurante, o Crystal, bem em frente ao portão principal da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro. Ele disse que convenceu um manifestante a não jogar um coquetel molotov dentro do estabelecimento.

SERGIO TORRES, Agência Estado

18 de junho de 2013 | 12h01

Safi fechara o Crystal às 17h e, já em casa, soube da violência no protesto. Decidiu voltar ao Centro, chegando no restaurante às 20h.

"Isso aqui era uma praça de guerra, estava tudo tomado. Os vândalos quebravam tudo, uma coisa impressionante. Parecia o filme "Nova York, Cidade Sitiada" (do cineasta Edward Zwick)", disse ele, apontando para a espécie de largo formado pela avenida Primeiro de Março e pelas ruas São José e da Assembleia e referindo-se ao filme de 1998, estrelados pelos astros Bruce Willis e Denzel Washington.

De acordo com o comerciante, as vidraças já estavam todas quebradas e, pelos buracos, os manifestantes atiravam pedregulhos que arrebentaram louças, espelhos e até balanças.

"Não faço ideia do prejuízo. Poderia ser muito maior se eu não tivesse implorado para quem não jogassem o coquetel molotov", afirmou.

Tudo o que sabemos sobre:
protestosRiodepredaçãorestaurante

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.