Comissão do Senado vistoria hospital onde 262 bebês morreram

No início da crise, Governo do Pará chegou a dizer que porcentual de morte de bebês era aceitável

da Redação, estadao.com.br

10 Julho 2008 | 08h55

Nesta quinta-feira, 10, membros da Comissão de Direitos Humanos do Senado estarão em Belém para visitar a unidade local da Santa Casa de Misericórdia. Relatório da direção da Santa Casa de Misericórdia do Pará indica que desde fevereiro o índice de mortalidade de recém-nascidos no hospital ficou acima do aceitável pela Organização Mundial da Saúde (OMS). De acordo com o órgão, o índice máximo tolerado é de 15% em relação ao total de nascidos vivos. Em maio e junho, a unidade registrou índices superiores a 20%. O relatório, com dados desde 2005, mostra que desde o começo do ano foram registradas 262 mortes de bebês na maior maternidade pública do Pará. Pelo menos 54 recém-nascidos morreram no hospital em junho, 10 deles na Unidade de Terapia Intensiva (UTI). Neste mês, 9 mortes já foram registradas no hospital, 7 delas na UTI. Não há informação do número de mortes decorrentes da falta de estrutura do hospital. A Secretaria de Estado da Saúde do Pará divulgou nota durante a crise dizendo que o porcentual de morte de bebês em relação ao total de nascidos vivos no hospital está dentro do aceitável.Segundo o diretor do Sindicato dos Médicos do Estado do Pará (Sindmepa), Luiz Sena, o aumento em relação aos anos anteriores comprova o processo de sucateamento do hospital. "As mortes estão acima do aceitável e claramente aumentando", diz.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.