Como guardar bem a safra

Dia de campo

Fernanda Yoneya, O Estado de S.Paulo

07 de maio de 2008 | 03h23

A armazenagem inadequada pode pôr a perder uma safra inteira. Conforme o pesquisador Tércio Barbosa de Campos, do Instituto Biológico (IB-Apta), da Secretaria de Agricultura, o principal risco ao armazenar a safra é em relação às pragas, principalmente insetos e fungos. ''Os cuidados com a safra armazenada devem ser os mesmos, independentemente do volume armazenado. Em paióis ou armazéns ou em silos, deve-se ficar atento a focos de pragas'', diz.Segundo ele, as perdas anuais da produção de grãos provocadas por armazenagem inadequada, sobretudo no milho guardado em estruturas rústicas, chegam a 20%.As principais espécies de insetos em armazéns são carunchos, gorgulhos e besouros, além de mariposas e traças. Os mais conhecidos são gorgulho do milho, traça dos cereais, carunho do feijão, besourinho dos cereais e besourinho do fumo. ''Além da grande capacidade de reprodução, eles atacam os grãos até mesmo antes da colheita'', diz Campos.SUPERFÍCIE E PROFUNDIDADEAs larvas danificam os grãos para se alimentar. Os carunchos e gorgulhos penetram na massa de grãos e são considerados pragas de profundidade. Já as traças, por não conseguirem penetrar na massa, ficam nas camadas superficiais dos grãos e são conhecidas como pragas de superfície. Os fungos, eles exalam uma substância química e comprometem a integridade dos grãos.Campos explica que os cuidados começam com medidas preventivas simples, como a limpeza do local que irá receber a safra. Deve-se varrer toda a área, incluindo cantos e frestas, e lavar equipamentos e estruturas com água e sabão, para eliminar poeira e resíduos de grãos. Essa limpeza, diz o presidente da Associação Brasileira de Pós-Colheita (Abrapós), Irineu Lorini, resolve 70% dos problemas relacionados ao ataque de pragas. ''O material recolhido precisa ser incinerado'', ensina Lorini.''Esses resíduos oferecem grande risco para o surgimento de pragas'', diz Campos, destacando que, antes de ser guardada, a produção deve passar por pré-limpeza, que retira torrões, insetos e outras impurezas, e por um processo de secagem correto, que baixa a umidade da produção para, no mínimo, 13%.Outra medida importante é, em casos de infestação, identificar a praga antes de adotar qualquer forma de controle. ''É preciso saber que espécie está atacando, qual é sua preferência alimentar e qual o real potencial de destruição. A partir daí, a chance de aplicar o produto mais adequado.''Outra dica é monitorar a produção no campo. Campos garante que, se o problema for detectado em tempo hábil, é possível entrar com o tratamento de maneira mais segura. O monitoramento deve ser feito sempre, e inclui coleta de amostras e controle rigoroso de temperatura e umidade no interior do silo conforme as exigências de cada grão e até o uso de armadilhas de feromônio sexual (substância produzida pela fêmea para atrair o macho).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.