Divulgação
Divulgação

Como lidar com as redes sociais que mudaram nossa vida

Na cidade de Berkley, na Califórnia, em 1973, os pioneiros da computação deixavam terminais rudimentares ligados à linha telefônica em frente a uma loja de discos. Quem passava por lá deixava e pegava recados - anúncios, poemas e mensagens antiguerra. A Community Memory foi a primeira rede social: uma extensão da relação entre as pessoas, mediada por computadores.

Tatiana de Mello Dias, O Estado de S.Paulo

30 Julho 2012 | 03h09

Quase quarenta anos depois já há uma geração hiperconectada graças aos filhotes da Community Memory. Especialistas ouvidos pelo centro de pesquisas Pew apontam dois futuros: 55% acham que a tecnologia criará indivíduos mais hábeis com múltiplas tarefas; 42% apostam em pessoas distraídas e menos capazes de reter informação.

E a próxima fronteira leva isso ao extremo. Trata-se da eliminação da divisão online e offline, principalmente a partir de smartphones. Nesta edição especial, o Link mostra como lidar com as redes que transformam a nossa existência.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.