Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços
Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços

‘Competitividade fica prejudicada sem reforma da Previdência’, diz ministro

Segundo ministro da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, Marcos Jorge, para o País ter melhor ambiente de negócios, precisa também de uma simplificação tributária

Entrevista com

Marcos Jorge, ministro da Indústria, Comércio Exterior e Serviços

Lorenna Rodrigues e Lu Aiko Otta, O Estado de S.Paulo

22 Maio 2018 | 04h00

Reduzir a burocracia no comércio exterior é parte de um trabalho mais amplo de melhoria do ambiente de negócios no País, disse ao Estado o ministro da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (Mdic), Marcos Jorge. Ele avalia que, sem enfrentar a questão da Previdência, não há condições para aumentar investimentos.

+ Burocracia trava comércio exterior

Estudo da CNI aponta para um conjunto muito grande e variado de exigências do governo para as operações de comércio exterior. O que o sr. diz sobre isso?

É muita coisa, mas estamos trabalhando para simplificar. O grande exemplo é o Portal Único do Comércio Exterior. Mas não temos só isso.

O que mais vem sendo feito?

Estruturamos um sistema em que o Mdic, o Ministério das Relações Exteriores, o Ministério da Agricultura e outros órgãos recebem, por parte do setor privado, o reporte de barreiras não tarifárias ao comércio. Os técnicos fazem o encaminhamento. Em 2016, ouvimos a iniciativa privada e listamos 51 medidas em um programa de simplificação. As que são de responsabilidade de outros órgãos, encaminhamos. As que são da nossa responsabilidade, estamos trabalhando.

As críticas de excesso de burocracia procedem?

Penso que temos de continuar evoluindo para termos um ambiente de negócios melhor. Precisamos, como tem dito o presidente Michel Temer, fazer uma simplificação tributária. E precisamos evoluir com a reforma da Previdência. Esse é um problema que o Brasil terá de enfrentar. Se queremos ser mais competitivos e produtivos, precisamos dar condições para que haja mais investimentos e para que o empresariado consiga produzir mais.

Mais conteúdo sobre:
Marcos Jorge reforma previdenciária

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.