Complexo do Alemão no Rio recebe mais duas UPPs

Um ano e nove meses após a ocupação pelo Exército dos complexos do Alemão e da Penha, na zona norte do Rio, o governo do Estado completou a implantação da política de pacificação dos complexos com a inauguração de duas novas Unidades de Polícia Pacificadora (UPP). Ao todo, são oito unidades cobrindo a região, com cerca de 2.160 homens atuando no patrulhamento das favelas.

ANTONIO PITA, Agência Estado

28 de agosto de 2012 | 18h52

As novas unidades, inauguradas na manhã desta terça-feira, estão localizadas na favela do Parque Proletário e na Vila Cruzeiro, onde o jornalista Tim Lopes foi morto há dez anos. A região estava ocupada pelo Batalhão de Choque e pelo Batalhão de Operações Especiais (Bope) desde a saída das tropas do Exército, em junho. Nas novas unidades, 520 policiais recém-formados atuarão no patrulhamento das comunidades que contam com 37 mil moradores, segundo a secretaria estadual de segurança.

A inauguração foi acompanhada pelo governador do Rio, Sérgio Cabral, e pelo secretario de Segurança, José Mariano Beltrame. Cabral classificou como "emblemática" a chegada da UPP na Vila Cruzeiro em função da morte do jornalista Tim Lopes no local quando fazia uma reportagem sobre o tráfico de drogas. "Não temos a ilusão de que o tráfico acabou, ele vai continuar tentando desestabilizar essa política de segurança. Mas essa tem de ser uma política de estado, que não pode parar", afirmou o governador do Rio.

Durante a inauguração, o coordenador das UPPs, coronel Rogério Seabra, anunciou que a próxima favela carioca a receber uma unidade será a Rocinha, na zona sul. A inauguração está prevista para setembro - dez meses após a ocupação pelo Bope.

Mais conteúdo sobre:
UPPinauguraçõesRio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.