Compra conjunta de adubo é melhor

Cooperativas fazem cotação, conseguem descontos direto nas indústrias e financiam a venda ao produtor rural

Tânia Rabello, O Estado de S.Paulo

28 de maio de 2008 | 01h41

Se a indústria não tem disponibilizado crédito para o produtor rural comprar adubo com antecedência, uma maneira de ele obter esse crédito é por intermédio do sistema cooperativista. As cooperativas agropecuárias geralmente têm capital para comprar à vista e estocar, com antecedência, grandes quantidades de fertilizante. Além disso, a cooperativa costuma ser balizadora de preços e tem potencial para financiar a venda.Nas compras em grandes quantidades, é possível conseguir descontos razoáveis entre um fornecedor e outro, segundo o presidente da Cooperativa Agropecuária de Pedrinhas Paulista (CAP), Franco di Nallo. ''Já houve safras em que conseguimos quase 20% de desconto'', garante. ''Isso porque trabalhamos com recursos próprios, à vista.''A CAP congrega 680 cooperados - a maioria cultiva soja, milho e trigo em propriedades de 40 hectares, em média -, e compra anualmente 10 mil toneladas de NPK (mistura de nitrogênio, fósforo e potássio), ''fora a parte de corretivos, como calcário'', diz. ''Em maio já compramos 4 mil toneladas de NPK e já tínhamos 3 mil toneladas em estoque.''O financiamento da compra é outra vantagem para o cooperado. ''O produtor planta em setembro e só paga na colheita, em março do ano que vem.''EXIGÊNCIAA única exigência que a cooperativa está fazendo este ano é a de que o produtor oficialize a reserva da quantidade de adubo a ser comprada. ''A procura está maior e nossa logística é limitada. Mesmo que o produtor não pague agora, deve assumir conosco um compromisso de compra e venda.''Na Cooperativa dos Produtores Agropecuários de São Pedro (Coopamsp), que congrega cem cooperados, também há compra conjunta de fertilizantes. ''Nós fazemos um levantamento da quantidade necessária entre os produtores e depois fazemos a cotação entre as empresas'', diz o presidente da cooperativa, José Lodovico Rinaldi. Em média, a cooperativa compra entre 250 e 300 toneladas de fertilizantes por ano. ''Repassamos ao produtor exatamente o preço pelo qual compramos, acrescido apenas com custo administrativo, que é bem baixo.'' A forma de pagamento varia. ''Geralmente descontamos em leite, pois temos um laticínio'', diz. Este ano, ainda não há compra fechada. ''Mas um desconto de uns 15% sempre sai'', diz. Na cooperativaConveniência: Produtor tem garantia de armazenagem até a época de usar o aduboSegurança: Garantia na composição do fertilizante a partir de análises laboratoriais feitas pela própria cooperativaPreço melhor: Possibilidade de o produtor comprar pequenas quantidades a preço de grandes quantidadesBalizadora do mercado: Por comprar grandes quantidades à vista e com antecedência, a cooperativa acaba sendo balizadora dos preços na sua região de influência

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.