Condenado a 118 anos, cabo Bruno casa-se na prisão

Foi penitenciária Augusto César Salgado, onde cumpre pena há 23 anos, que ele conheceu a esposa religiosa

SIMONE MENOCCHI, Agencia Estado

18 de julho de 2008 | 19h36

A Secretaria de Administração Penitenciária do Estado de São Paulo confirmou o casamento, realizado nesta sexta-feira, 18, do detento Cabo Bruno, condenado a 118 anos de prisão por pelo menos 50 assassinatos na periferia de São Paulo na década de 80. Ele se casou com a dona de casa Dayse França, de 41 anos, moradora de Pindamonhangaba. O policial militar Cabo Bruno, ou Florisvaldo de Oliveira, está preso há 23 anos e atualmente cumpre pena na penitenciária Augusto César Salgado", o P2 de Tremembé, no Vale do Paraíba, onde o casamento foi realizado, na presença de alguns parentes e amigos. Foi nesta penitenciária, onde ficam ex-policiais militares, ex-funcionários públicos e pessoas acusadas de crimes hediondos, como Alexandre Nardoni e os irmãos Cravinhos, que cabo Bruno conheceu a noiva Dayse França, há dois anos. Ela integrava uma equipe de religiosos que freqüenta o presídio para um trabalho voluntário de evangelização.   A Secretaria de Administração não deu detalhes sobre a cerimônia, que foi realizada por um pastor, já que ambos pertencem à Igreja Evangélica.

Tudo o que sabemos sobre:
casamentocabo Bruno

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.