Confronto entre traficantes e PMs deixa 4 mortos no Rio

A disputa pelo controle dos pontos de venda de drogas na favela Pára-Pedro, no bairro de Colégio, na zona norte do Rio, deixou oito mortos nos últimos dias. Hoje, quatro supostos traficantes morreram em confrontos armados com policiais do 9º Batalhão de Polícia Militar (PM) de Rocha Miranda, que foram chamados após um tiroteio entre quadrilhas rivais. Ontem, três corpos foram encontrados dentro de uma carroça, dois deles decapitados. Investigadores da 27ª Delegacia de Vicente de Carvalho apuram se as mortes são resultados apenas dos tiroteios ou também de punições aplicadas pela facção criminosa Terceiro Comando Puro (TCP), que estaria punindo os ladrões que atuam nos bairros vizinhos à favela. "Segundo informantes, os homens foram decapitados para inibir a atuação dos demais criminosos na região, pois esta quadrilha permite apenas o tráfico de drogas", disse um policial, que pediu para não ser identificado. Segundo ele, os mortos seriam ligados à facção criminosa Amigo dos Amigos (ADA), que tenta retomar as bocas-de-fumo da favela invadida pelo TCP.A polícia não descarta que o número de mortos nos confrontos entre traficantes seja maior, pois há boatos que outros corpos estariam no interior da favela. A intensa troca de tiros entre criminosos também atinge inocentes. A aposentada Isaulina Costa Pereira, de 60 anos, morreu em casa vítima de bala perdida, na terça-feira, quando os conflitos começaram. Após o confronto de hoje, policiais do 9º BPM informaram que apreenderam uma granada cujo poder de destruição perfuraria o carro blindado da PM, o "caveirão", um revólver, 16 pedras de crack, 40 trouxinhas de maconha e um radiotransmissor.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.