Confrontos entre polícia e seita deixam 12 mortos no Quênia

Policiais entram em choque com grupo acusado de cometer vários crimes provoca nova onda de violência

Da BBC Brasil, BBC

14 Abril 2008 | 11h45

Confrontos entre policiais e integrantes de uma milícia acusada de cometer vários crimes no Quênia provocam uma nova onda de violência no país. Segundo a agência de notícias AFP e uma estação de rádio local, pelo menos 12 integrantes do grupo Mungiki teriam sido mortos pela polícia. A polícia diz que centenas de integrantes do Mungiki realizaram manifestações na capital Nairóbi e em várias cidades da região do Vale Rift, bloqueando estradas, queimando pneus e atacando motoristas. Os manifestantes também teriam provocado o descarrilamento de um trem em Nairobi e colocado fogo em um prédio da polícia. Os integrantes do Mungiki protestam contra o assassinato da mulher de um de seus líderes, que eles atribuem à polícia. O corpo decapitado de Virginia Nyaiko foi encontrado durante o fim de semana. O porta-voz da polícia do Quênia, Eric Kiraithe, negou qualquer envolvimento e disse que as "acusações são totalmente falsas". Originalmente uma seita religiosa, o grupo Mungiki surgiu nos anos 80, mas atualmente é acusado de operar como uma gangue criminosa e foi responsabilizado por uma série de assassinatos. Algumas facções do Mungiki dizem ser uma manifestação moderna do movimento Mau Mau, que lutou pela independência do Quênia nos anos 50, e afirmam ter ligações com políticos importantes do grupo étnico Kikuyu, o mesmo do presidente Mwai Kibaki. Uma onda de assassinatos atribuídos ao grupo no ano passado levou a uma grande operação da polícia, mas grupos de direitos humanos condenam o que chamam de assassinatos extrajudiciais contra integrantes do Mungiki. Mais de mil pessoas morreram em uma onda de violência em janeiro, desencadeada por disputa nas eleições. O governo foi acusado de colaborar com a violência ao contratar a milícia Mungiki para proteger a comunidade Kikuyu, mas nega qualquer irregularidade e diz que vem tentando acabar com as ações do grupo. A acusação está sendo investigada pelo Parlamento.   BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Mais conteúdo sobre:
Quêniaviolência

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.