Congo identifica surto de Ebola; OMS requisita ajuda

Febre causada por vírus mata 90% dos infectados e não tem cura; pelo menos 167 morreram desde agosto

Agência Estado e Associated Press,

11 de setembro de 2007 | 10h39

A Organização Mundial de Saúde (OMS) divulgou nesta terça-feira, 11, um alerta por meio do qual requisita mais médicos e outros especialistas que possam viajar ao sudeste do Congo para combater um surto do vírus Ebola, causador de um tipo de febre hemorrágica que mata cerca de 90% das pessoas infectadas e não tem cura nem tratamento.   Em anúncio divulgado nesta terça, a organização registrou cinco mortes causadas pelo vírus na região ocidental de Kasai, a 690 quilômetros   da capital Kinshasa.   Em todo o país, desde o final de agosto, pelo menos 172 pessoas morreram e quase 400 adoeceram por causa do novo surto, disse Jean-Constantin Kanow, secretário de saúde da província congolesa de Kasai Oriental.Especialistas ligados ao grupo Médicos Sem Fronteira (MSF) já estão tratando pacientes, mas mais ajuda é necessária. O governo congolês declarou quarentena na região afetada, disse um porta-voz.   O Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos e um laboratório no Gabão confirmaram que se trata de uma febre hemorrágica, mais especificamente Ebola, revelou o ministro da Saúde do Congo, Makwenge Kaput, em um pronunciamento à nação na segunda-feira. Ele não forneceu mais nenhum detalhe.   A porta-voz da OMS, Fadela Chaib, anunciou que a organização está até em fase de determinar o alcance da doença. Em agosto, a OMS detectou um aumento das mortes sem causa conhecida no oeste da República Democrática do Congo. Um mês e meio depois, a agência da ONU conseguiu identificar a aparição do Shingella, outra doença infecciosa, e depois do ebola.Dada a alta mortalidade de ambas doenças e sua facilidade para se propagar, a OMS iniciou a Rede Mundial de Alerta e Ação Contra as Epidemias, que permite levar a informação do surto ao conhecimento de todos os países do mundo sobre o fato, e pedir ajuda específica de forma urgente. Segundo a OMS, cinco amostras testaram positivo para Ebola. Ainda há cerca de 40 amostras a serem analisadas.   A primeira vez que se detectaram casos de ebola na República Democrática do Congo (antigo Zaire) foi em 1976, quando foram identificadas 318 pessoas contaminadas, das quais 200 morreram. Posteriormente, em 1995, 315 pessoas foram infectadas e morreram 250. Em toda a África, desde 1976 foram detectados 1.850 casos de ebola, que mataram 1200 pessoas.   Matéria ampliada às 11h38

Tudo o que sabemos sobre:
CongoEbolaOMS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.