Congonhas opera sem atrasos mas Cumbica tem demora em 23 vôos

O Aeroporto de Congonhas, em SãoPaulo, operava sem atrasos e cancelamentos nesta manhã desegunda-feira, no primeiro dia após o novo esquema de vôosmontado pelas principais companhias aéreas do país, quase duassemanas após o pior acidente da aviação no Brasil. Na outra ponta, o Aeroporto Internacional de Cumbica, emGuarulhos, para onde foram transferidos mais de 50 vôos queseriam de Congonhas, registrava atrasos e cancelamentos. Balanço das 11h, mostrava que Congonhas tinha 50 partidasprogramadas, registrando apenas um atraso com mais de uma horae nenhum cancelamento. Já em Guarulhos, até as 12h, dos 110vôos programados, 23 tinham atrasos com mais de uma hora e doishaviam sido cancelados, segundo a Infraero. Em Congonhas, o movimento de pessoas deve voltar aaumentar, após o esvaziamento nos últimos dias, já que a vendade passagens aéreas foi liberada na semana passada apenas paraos vôos com datas a partir desta segunda-feira. A pistaprincipal operava sem instrumentos desde sua abertura, às 6h. No total, no balanço feito pela Infraero dos principaisaeroportos do país, dos 740 vôos programados até as 11h, 49foram cancelados (6,6 por cento) e 111 tinham atrasos superiora uma hora (15 por cento). A TAM informou nesta manhã que a média de atrasos de seusvôos nacionais era de 46 minutos. Nas partidas internacionais,o atraso era de média de 66 minutos. Segundo a empresa, os aeroportos de Porto Alegre, Corumbá(MS) e Santiago, no Chile, ficaram fechados por um período damanhã devido ao mau tempo. Em Porto Alegre, segundo a Infraero, dos 30 vôosprogramados, 10 tinham atrasos com mais de uma hora e cincoforam cancelados. Na terça-feira, o pior acidente aéreo do país completa duassemanas. No dia último 17, cerca de 200 pessoas morreram apósum Airbus da TAM que vinha de Porto Alegre chocar-se comprédios perto de Congonhas, após pouso fracassado no aeroporto. (Por Fernanda Ezabella)

REUTERS

30 de julho de 2007 | 13h02

Tudo o que sabemos sobre:
MANCHETESAREASAEROPORTOS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.