Conselho de medicina cassa profissional

Conselho de medicina cassa profissional

O Conselho Regional de Medicina de São Paulo (Cremesp) cassou a licença de Bruno Molinari, acusado de ter matado, em 2005, a advogada Silvana Turine Augusto, na época com 37 anos. Em 2006, Molinari foi preso em flagrante sob a suspeita de estelionato, falsidade ideológica e adulteração de medicamento.

Lais Cattassini, O Estadao de S.Paulo

27 de março de 2010 | 00h00

Para o Cremesp, Molinari desrespeitou artigos do Código de Ética Médica que versam sobre o respeito à saúde do paciente, foi negligente e não colaborou com os órgãos de vigilância sanitária.

Silvana Turine morreu quando foi submetida a uma lipoaspiração na clínica estética de Molinari, em São Paulo. Ela sofreu parada cardiorrespiratória e teve seis crises convulsivas. O médico, que não era cirurgião, não poderia ter feito o procedimento. A clínica era irregular.

Depois, um paciente de Molinari denunciou que o médico orientava pacientes portadores do vírus HIV a entrar na Justiça para obter do governo medicamentos. Em seguida, receitava uma quantidade maior do que a necessária e ficava com parte dos produtos para revender.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.