Constituinte equatoriana quer 'felicidade sexual' garantida por lei

Deputada propõe que direito das mulheres seja expresso na nova Constituição.

Daniel Schweimler, BBC

03 de maio de 2008 | 16h20

Uma deputada constituinte governista no Equador propôs que o direito das mulheres à felicidade sexual seja garantido pela lei do país.A sugestão vem provocando um intenso debate no conservador Equador.Maria Soledad Vela, que faz parte da Assembléia que está reescrevendo a Constituição do país, alega que as mulheres são tradicionalmente vistas apenas como objetos sexuais ou como reprodutoras.Agora, segundo ela, as mulheres deveriam ter o direito de tomar decisões "livres, responsáveis e informadas" sobre suas vidas sexuais."Orgasmo por lei"O objetivo expresso da Assembléia Constituinte é, entre outras coisas, tentar garantir uma melhor distribuição de renda e direitos para as comunidades indígenas e para os pobres.Para Soledad Vela, as mulheres não deveriam ser deixadas de lado nesta lista.Mas suas propostas provocaram uma intensa resposta - em sua maioria, sem surpresas, dos homens.O deputado constituinte de oposição Leonardo Viteri acusou-a de tentar decretar "orgasmo por lei".Outro deputado classificou a proposta de "ridícula" e disse que um tema tão íntimo deveria permanecer íntimo e não ser previsto por lei.Soledad Vela respondeu às críticas dizendo que nunca pediu o direito ao orgasmo, mas somente o direito de "desfrutar do sexo em uma sociedade mais livre, justa e aberta".Segundo ela, o sexo é um tema difícil de discutir no Equador e o que ela quer são leis mais claras sobre o direito à vida, à saúde e à educação sexual.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.