Consumo de cocaína cresce 28% na Europa, diz estudo

Segundo o relatório, número de usuários na União Européia cresce em um milhão em 2006

Márcia Bizzoto, BBC

22 de novembro de 2007 | 11h45

Um estudo divulgado nesta sexta-feira, 22, em Bruxelas afirma que o número de consumidores de cocaína na Europa subiu para cerca de 4,5 milhões de pessoas em 2006 - um aumento de 1 milhão no número de usuários da droga ou 28,5% em relação ao ano anterior. O relatório anual do Observatório Europeu de Drogas e Toxicomanias (OEDT)analisa o consumo de cocaína entre europeus de 15 a 64 anos. "As novas informações confirmam o lugar da cocaína como primeira droga estimulante na Europa e a segunda droga ilícita mais consumida, depois da maconha e antes do ecstasy e anfetaminas", diz o relatório. No período estudo, o número de usuários de maconha somou 23 milhões de pessoas. Ecstasy e anfetaminas foram consumidos por três milhões e dois milhões de europeus, respectivamente. A OEDT estima que cerca de 12 milhões de europeus já consumiram cocaína pelo menos uma vez na vida, o que representa 4% da população adulta. Durante o mês em que a pesquisa foi realizada, 2 milhões de pessoas admitiram estar usando a droga. Segundo o estudo, os dados compilados questionam o quadro estável observado no ano anterior e indicam "um aumento global no consumo" da droga. Espanha e Holanda são os países com maior número de viciados em cocaína e também os principais centros de distribuição da droga para a Europa, onde o preço varia entre 45 e 120 euros por grama. Ao lado de Portugal, a Espanha é ainda o principal ponto de entrada da droga, procedente principalmente da América do Sul. Os números mais recentes da OEDT mostram que em 2005 as apreensões de cocaína na Europa atingiram o recorde de 107 toneladas, 45% a mais em relação às quantidades apreendidas em 2004. Para o observatório, esse é "mais um dado que comprova a nova tendência de aumento do consumo". De acordo com o relatório, a overdose de drogas é a maior causa de mortalidade "evitável" entre os jovens europeus. O estudo aponta que oito mil pessoas por ano morrem de overdose na UE. Em 2005, cerca de 400 dessas mortes foram associadas ao consumo de cocaína.Nesse mesmo ano, 22% das novas procuras por tratamento contra dependência de drogas na Europa foram relacionadas à cocaína. "Os afetados não são um público homogêneo. Inclui, de um lado, consumidores recreativos bem integrados socialmente e, de outro, os marginalizados", explica Thomas Legl, especialista do Centro Europeu para Tratamento de Adição de Drogas. Para ele, a "falta de tratamentos adaptados aos cocainômanos" na Europa representa "um verdadeiro problema de saúde pública". A OEDT estima que 3,5 mil usuários de drogas injetáveis foram contaminados com HIV em 2005, vírus que já afeta um total de 200 mil consumidores desse tipo de drogas na UE. Ao mesmo tempo, cerca de um milhão de usuários de droga injetáveis são portadores de hepatite C.   BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.