Consumo de energia bate nível pré-crise

Maior demanda tem sido usada para justificar frequentes apagões

Nicola Pamplona, RIO, O Estadao de S.Paulo

26 de novembro de 2009 | 00h00

O consumo brasileiro de eletricidade bateu o recorde na terça-feira, superando volumes verificados antes da crise financeira. Segundo dados do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), foram consumidos 58.486 megawatts (MW) médios anteontem, com pico de 66.272 MW às 14h42, superando os valores registrados em 11 de setembro de 2008.

Reflexo das altas temperaturas, o alto consumo vem sendo usado como justificativa para os apagões localizados que assolam o Rio nas últimas semanas. O boletim de operações do ONS aponta que o consumo nas Regiões Sudeste e Centro-Oeste também atingiu níveis históricos esta semana, mas na segunda-feira, quando bateu 41.695 MW às 14h32.

Em 11 de setembro de 2008, o SIN teve um consumo médio de 55.980 MW médios, com pico de 65.586 MW. Naquele mesmo dia, o subsistema Sudeste/Centro Oeste registrou máxima de 41.635 MW. Na época, a economia brasileira ainda não sentia plenamente os efeitos da crise financeira global.

Naquela ocasião, porém, os Estados de Acre e Rondônia não haviam sido integrados ao SIN, o que ocorreu no início deste mês. De todo modo, o consumo dos dois Estados é pequeno: em 11 de setembro de 2008, diz o ONS, chegou a 378 MW. Assim, o operador do sistema calcula que, contabilizados os dois Estados, a carga de energia no SIN daquele dia seria de 65.964 MW médios.

A última análise de consumo da Empresa de Pesquisa Energética (EPE) aponta que o desempenho de outubro ainda esteve 1,1% abaixo do mesmo mês do ano anterior. Mesmo assim, diz a EPE, é possível confirmar uma tendência de recuperação, especialmente por causa das classes residencial e comercial.

Isso tem sido usado como justificativa pela Light para os apagões localizados que têm causado grande transtorno ao Rio. Entre terça e quarta-feira, 12,3 mil residências na zona sul, ficaram quase 24 horas sem luz. Outros sete bairros da zona norte tiveram dificuldade semelhante. Ontem, houve um problema na rua Rainha Guilhermina, no Leblon.

Em carta enviada aos clientes, o presidente da companhia, José Luiz Alquéres, atribuiu os cortes a dois fatores conjugados, um deles, reconheceu, de mau estado dos equipamentos - "alguma vulnerabilidade pontual (defeito de cabo ou emenda antiga)". Anteontem, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) notificou a empresa a prestar esclarecimentos em um prazo de 24 horas.

SÃO PAULO

A cidade de São Paulo também tem enfrentado uma sequência de desligamentos. Na segunda-feira, regiões do Paraíso e Aclimação, na zona sul, ficaram sem luz por causa de um fio rompido pela fortes chuvas, afirmou a Eletropaulo. No mesmo dia, problemas na subestação da Ceteep deixaram o centro da cidade sem energia.

Ontem foi a vez do bairro do Limão, na zona norte, ser afetado. Segundo a Eletropaulo, o fornecimento de luz não foi interrompido, mas algumas máquinas industriais não puderam operar.

O problema, iniciado às 15 horas, foi causado por uma queda na tensão de uma linha, que liga a subestação de Pirituba, da Ceteep, ao bairro Casa Verde. O atendimento foi normalizado por volta das 18h30.

COLABOROU RENÉE PEREIRA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.