Contra doença, prefeito no PA proíbe consumo de açaí

A vigilância sanitária fechou treze pontos de manipulação e venda do suco, alegando falta de higiene

CARLOS MENDES, Agencia Estado

13 de setembro de 2007 | 16h42

Os 18 mil moradores de São João de Pirabas estão proibidos de consumir açaí desde terça-feira, 11. A medida foi decretada pelo prefeito do município do nordeste paraense, João Bosco Moisés, depois que a vigilância sanitária fechou treze pontos de manipulação e venda do suco, alegando falta de higiene.   Ele afirma que o processo artesanal para extração do suco do açaí está sendo feito sem o cuidado necessário, o que tem provocado o aparecimento da doença de Chagas entre os consumidores. A dona de casa Maria Soares Seabra morreu no domingo na cidade de infecção generalizada e doença de Chagas, de acordo com o atestado de óbito.   Um parente da vítima informou que ela havia tomado açaí no mês de julho e dias depois começou a passar mal. Há pelo menos mais quatro casos suspeitos da doença. "Esses problemas relacionados ao açaí acontecem aqui em Pirabas há três anos", disse o prefeito, informando que em 2004 duas pessoas teriam morrido após contrair a doença.   Outras quatro foram atendidas no hospital da cidade e tiveram casos confirmados da doença.   Bosco Moisés cobra uma investigação epidemiológica em Pirabas para tranqüilizar a população, e defende a criação de um curso para os trabalhadores da cadeia produtiva do açaí.

Tudo o que sabemos sobre:
chagasaçaípará

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.