Conversa do papa com muçulmanos assusta Al Qaeda, diz Vaticano

O Vaticano disse naterça-feira que a Al Qaeda critica o histórico encontro do papaBento 16 com o rei Abdullah, da Arábia Saudita, por temer odiálogo inter-religioso. Ayman Al Zawahri, número 2 na hierarquia da Al Qaeda,referiu-se a Bento 16 como sendo um pontífice que "insultou oIslã e os muçulmanos". Zawahri também criticou o rei Abdullahpor ter se encontrado com o líder católico em novembro. O padre Federico Lombardi, porta-voz do Vaticano, disse queas declarações de Zawahri, divulgadas por um vídeo na internetno domingo, mostram que a Al Qaeda está preocupada com asimplicações do encontro --o primeiro entre o papa e um monarcasaudita. Lombardi lembrou que o papa também está buscando o diálogocom acadêmicos muçulmanos, como o príncipe jordaniano Ghazi binMohammad bin Talal. "Essas pessoas querem o diálogo e estamostrabalhando em direção à paz", disse o porta-voz papal. "Issopreocupa aqueles que não querem o diálogo." Zawahri já havia criticado o papa por um polêmico discursofeito no ano passado em que ele usou uma citação que associa oIslã à violência. O papa disse ter sido mal compreendido e fazvárias menções de estima aos muçulmanos desde então. (Por Phil Stewart)

REUTERS

18 de dezembro de 2007 | 18h32

Tudo o que sabemos sobre:
RELIGIAOPAPAQAEDA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.