Conversações de paz do Sudão do Sul começam em ritmo lento

O governo do Sudão do Sul e os rebeldes finalmente iniciaram nesta sexta-feira conversações para pôr fim a semanas de derramamento de sangue, depois de dias de atraso, ao mesmo tempo que os Estados Unidos ordenavam a retirada de mais funcionários de sua embaixada.

CARL ODERA E AARON MAASHO, Reuters

03 de janeiro de 2014 | 18h24

No entanto, não houve conversações diretas e há informações sobre combates perto da cidade estratégica de Bor, num indício de que a suspensão dos combates entre as forças do Exército, aliadas ao presidente Salva Kiir, e os rebeldes leais ao ex-vice-presidente Riek Machar ainda estão longe de terminar.

Países vizinhos temem que os confrontos, que no mês passado se espalharam rapidamente a partir da capital, com base em origens étnicas, possa desestabilizar o Leste da África. O bloco regional Autoridade Intergovernamental para o Desenvolvimento (Igad, na sigla em inglês), formado por países do leste africano, está servindo de mediador nas conversações de paz na Etiópia.

A previsão era iniciar o diálogo no dia 1 de janeiro, em Adis-Abeba, mas as conversas começaram lentamente nesta sexta-feira.

"Ambas as delegações estão se reunindo com os mediadores separadamente", disse um porta-voz do Ministério de Relações Exteriores da Etiópia Dina Mufti. "Esperamos trazer os dois lados para reuniões cara-a-cara em breve."

Mais conteúdo sobre:
SUDAODOSULDIALOGONEGOCIA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.