Cookies do Google ''se auto-destruirão'' em 2 anos sem uso

Anúncio é mais uma medida da nova política de privacidade do site de buscas.

BBC Brasil, BBC

17 Julho 2007 | 06h16

O Google, o maior site de buscas da Internet, anunciou que seus cookies, pequenos arquivos que são guardados no computador quando um usuário visita um site, vão se auto-destruir depois de dois anos. Os cookies são usados por todos os mecanismos de busca na Internet e pela maioria dos websites para salvar informações sobre o internauta, como o nome, a língua de preferência e o histórico de buscas. Atualmente, os cookies do Google estão programados para serem deletados em 2039, mas, com a mudança, os arquivos vão passar a se auto-destruir se o usuário ficar dois anos sem visitar o site. Caso o internauta volte a usar um serviço Google, o prazo de validade dos cookies vai se estender por mais dois anos. "Depois de ouvir a opinião dos usuários e dos defensores da privacidade na Internet, concluímos que seria bom diminuir significativamente a vida dos nossos cookies", disse Peter Fleischer, conselheiro de privacidade do Google. Segundo ele, a empresa teve que "encontrar uma maneira de fazê-lo sem artificialmente forçar os internautas a preencher suas preferências básicas em momentos determinados arbitrariamente". O Google também frisou que todos os usuários podem apagar cookies manualmente e controlar quais cookies serão guardados em seus computadores. Há ainda ferramentas que permitem que o internauta escolha empresas que não poderão enviar cookies para seu computador. Este ano, o Google foi classificado como a única empresa "hostil" à privacidade em um relatório da Organização Não-Governamental Privacy International, que analisou vários sites pela forma como eles lidam com dados pessoais dos usuários. Nos últimos meses, o Google anunciou uma série de medidas de privacidade para tranqüilizar os internautas. Uma delas foi tornar anônimas informações pessoais sobre usuários conseguidas através de suas buscas depois de 18 meses. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.