Cooperados alternam soja e cana

Rotação de culturas é estimulada pela Coplacana, que já montou fábrica de ração e usina de biodiesel

Luiz Gallo, O Estado de S.Paulo

26 de março de 2008 | 02h41

Para aumentar a lucratividade de seus associados, a Cooperativa dos Produtores de Cana do Estado de São Paulo (Coplacana), de Piracicaba (SP), vem incentivando o uso da técnica de rotação de culturas, no caso, entre cana-de-açúcar e soja. ''O nosso grande objetivo é não deixar o agricultor parado, oferecendo uma opção de cultura rentável que pode ser aliada com a cana-de-açúcar'', explica o gerente-administrativo da cooperativa, Klever José Coral. Para incentivar os produtores da região, a Coplacana oferece o financiamento da plantação e a compra da produção de seus associados, além da construção de uma usina de biodiesel, que cuidará da recepção da soja e da extração do biodiesel e uma fábrica própria de ração que utiliza o farelo de soja e de milho.A usina está sendo construída com fundos da própria cooperativa e do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico (BNDES), está em fase final de construção e deve ser concluída até julho de 2008.BENEFÍCIOSO produtor e associado da Coplacana Francisco Manuel Borsato faz a rotação entre soja e cana desde 1998 e conta que, além dos benefícios financeiros do revezamento, a soja melhora a qualidade do solo. Hoje, Borsato faz o rodízio das culturas em 800 hectares, parte de sua propriedade e parte arrendada, e espera terminar a colheita de soja com produção de 50 sacas de 60 quilos por hectare. ''Sempre tinha problemas para correr atrás dos compradores de soja, agora a cooperativa fica com toda a produção, além de oferecer facilidades no plantio'', conta o agricultor.Além de incentivar o plantio, a Coplacana oferece um sistema de trocas aos seus associados, que trocam insumos e outros produtos por parte da produção futura da soja. ''Costumamos fazer essa troca, o produtor garante parte da produção e já leva os insumos e o que mais precisar'', diz Coral.O rodízio da soja com a cana pode ser feito porque as duas culturas têm ciclos bem definidos, o que não prejudica nenhuma das plantações, mesmo que sejam em um mesmo espaço.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.