COP mira futuro, mas falta resolver pendências

Deixar o passado resolvido para trilhar o futuro, mas sem esperar por ele para ser ambicioso. Foi a mensagem passada ontem na abertura da 18ª Conferência do Clima da ONU, em Doha (Catar), que termina no dia 7.

O Estado de S.Paulo

27 de novembro de 2012 | 02h02

Com o objetivo de iniciar o processo que deve levar, em 2015, ao estabelecimento de um novo tratado mundial de redução das emissões de gases-estufa, a partir de 2020, esta COP precisa antes resolver pendências. Em primeiro lugar, avaliar como os países ricos vão se portar até lá, durante o segundo período de compromisso do Protocolo de Kyoto. Em segundo lugar, definir como alguns pontos-chave, como o financiamento para países em desenvolvimento, serão realizados.

O embaixador André Corrêa do Lago, chefe da negociação brasileira, diz que está na hora de os países desenvolvidos tomarem a liderança. / GIOVANA GIRARDI, ENVIADA ESPECIAL A DOHA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.