Copa é chance de Brasil mostrar que é sério, diz Romário

Jogador e Paulo Coelho participaram da apresentação da candidatura da CBF à Fifa.

BBC Brasil, BBC

31 Julho 2007 | 14h33

O atacante Romário e o escritor Paulo Coelho participaram nesta terça-feira da apresentação oficial da candidatura brasileira para ser sede da Copa do Mundo de 2014."A Copa é a chance de mostrar o que é o Brasil: um país sério e digno", disse Romário, um dos convidados de honra da CBF para a cerimônia na sede da Fifa, em Zurique, na Suíça.Além de apresentar um dossiê de 600 páginas e um vídeo que destaca as belezas naturais brasileiras e as oportunidades econômicas do país, a CBF se valeu da fama dos dois embaixadores da campanha do Brasil a sede da Copa."Ter uma Copa no Brasil é uma das melhores coisas que poderiam acontecer para o país, para a Fifa e para o futebol", acrescentou o atacante. Já Paulo Coelho fez uma análise fiel ao estilo esotérico de seus livros. Para o autor de Diário de Um Mago, a Copa do Mundo vai "mudar o corpo e a alma do país". O escritor afirmou ainda que a competição é o "evento mais importante do mundo".O presidente da CBF, Ricardo Teixeira, destacou que "o Brasil vive e viverá até 2014 uma grande expansão econômica" e acrescentou: "Estamos nos tornando um dos centros da nova geografia mundial".Quanto à infra-estrutura, Teixeira evitou detalhar um orçamento para a Copa."Alguns estádios estão por fazer. Outros, apenas precisarão passar por reformas. Vamos definir o orçamento quando ganharmos o direito de sediar a Copa", disse o presidente da CBF.O presidente da Fifa, Joseph Blatter, se disse otimista com a candidatura brasileira e "com o apoio da população e do meio econômico", mas acrescentou que "uma definição só será anunciada em outubro, depois que os inspetores passarem pelo país".O Brasil é o único candidato para a sede da Copa de 2014 e uma das grandes apostas da Fifa.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.