Copacabana terá esquema de réveillon durante jornada

O mesmo esquema do réveillon de Copacabana, com o bairro fechado para carros e as vias da orla reservadas para pedestres, será adotado pela Prefeitura do Rio de Janeiro nos dois dias da Jornada Mundial da Juventude (JMJ) que terão eventos na praia com a presença do papa Francisco, 25 e 26 de julho. A entrada de veículos particulares será interrompida no início da tarde e reaberta na madrugada. No dia 23, quando a Jornada começa oficialmente, com missa rezada pelo arcebispo do Rio, d. Orani Tempesta, as restrições no trânsito acontecerão apenas em um trecho da orla.

LUCIANA NUNES LEAL, Agência Estado

19 de abril de 2013 | 18h33

"Com as devidas proporções, a gente encara o evento do dia 23 como um show de grande porte, um show do Steve Wonder. Os dias 25 e 26 são dois réveillons, com fechamento total de Copacabana. O público é mais ordeiro e o tempo do evento é menor, mas vamos fazer exatamente igual ao réveillon", diz Leonardo Maciel, presidente da Rio Eventos Especiais, empresa municipal responsável pelas ações da prefeitura na Copa das Confederações, na JMJ e na Copa de 2014.

O palco ficará entre a Rua Prado Junior e a Avenida Princesa Isabel, no Leme. Nos dois dias, o papa descerá de helicóptero no Forte de Copacabana, no Posto Seis, e seguirá no papamóvel pela orla. "O (tamanho do) palco de Copacabana não tem precedentes, a capacidade é de pelo menos duas mil pessoas. Ficarão os arcebispos, integrantes da Cúria, a estrutura da igreja. Tem uma espécie de área vip para convidados, espaço para mais ou menos 10 mil pessoas. E depois vem a turma toda. Haverá telões espalhados por Copacabana", detalhou Maciel, lembrando que a produção dos eventos não cabe a uma empresa privada.

No dia 25, o pontífice assistirá à cerimônia de acolhida e fará um pronunciamento aos católicos. No dia seguinte, assistirá em um telão à via sacra, que será montada em pequenos palcos ao longo do calçadão. Os dois eventos estão previstos para as 17 horas. Nesses dois dias, quinta-feira e sexta-feira, haverá feriado na cidade. Comércio e restaurantes funcionarão normalmente. A rede pública de ensino estará de férias.

"Não tem na história do País evento com essa magnitude", diz Maciel. Para a vigília e a missa de encerramento, nos dias 27 e 28, com a presença do papa, em Guaratiba (zona oeste), os peregrinos vão caminhar 13 quilômetros. "A gente está preparando a rota de acesso, tal qual uma maratona, com postos de hidratação, banheiro químico, atendimento médico. Peregrinar é tradição da Jornada. Na Alemanha andaram 25 quilômetros", afirma.

O presidente da Rio Eventos garante que o trânsito "não vai dar um nó" nos dias do encontro católico. A prefeitura vai proibir a circulação dos 25 mil ônibus fretados que chegarão com peregrinos. Haverá locais para desembarque dos passageiros e depois os coletivos ficarão estacionados em três pontos da zona oeste. Apesar dos problemas de transporte vividos no dia-a-dia pelos cariocas, Maciel afirma que haverá meios de locomoção para todos. "Talvez tenha um ou outro transtorno isolado, mas a cidade continua funcionando. Temos nove mil ônibus circulando e haverá um regime especial, além de trem e metrô".

Tudo o que sabemos sobre:
papavisitajornadaCopacabana

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.