Coq au vin

Bistrôs - L'Amitié

03 de dezembro de 2009 | 14h33

Anna Angotti & Demian Takahashi: Nunca pensamos que comeríamos um coq au vin seco. Mas já diz o ditado: "nunca diga 'nunca'". Foi uma pena que a umidade e o sabor profundo do molho não conseguiram penetrar na carne. Nem parecia que o franguinho tinha sido cozido no caldo, como manda o figurino.Blog Alho, Passas e Maçãs: O galo em questão é uma galinha caipira, o que gera certa dúvida quanto ao sexo do prato. Galo ou galinha, a carne é macia. Mas infelizmente seu sabor fica completamente encoberto pelo fortíssimo molho de vinho, cogumelos e muito toucinho. Também o purê, bem homogeneizado, perde completamente sua função diante da incrível potência do molho. Em resumo, é um vin au coq - ou à la poule.Braulio Pasmanik: Fiquei na dúvida sobre o componente principal do prato, mas o garçom insistiu que se tratava de um galo legitimo (e não um frango caipira). O molho muito bem feito, leve e saboroso deixou o prato muito bom.Jacques Trefois: Simpático lugar. A noite estava gostosa e sentei no terraço, lugar especialmente agradável. Um ótimo coq au vin. Se era "coq" (galo) ou frango ou capão, eu não sei? A carne deveria estar branca porque a carne do galo, principalmente galo velho, não "chupa" o molho. A carne desse galo tinha a cor do molho. De qualquer forma não tem importância, porque o prato estava saboroso, um excelente molho, as cebolas no ponto certo. Acompanha um correto purê de batata.Janaina Fidalgo: Bem servido e aromático, decepcionou pela textura da ave, ressecada demais, apesar de mergulhada num molho saboroso e denso.Luiz Horta: Muito bom, perfeito ponto de cozimento, equílibrio de sabores, a suave acidez que se espera deste clássico. Quase levou o voto, mas o caldinho das moules do o e bem afinado. Ótima carta de vinhos e bons preços.Neide Rigo: Carne muito suculenta. O tempero estava bom, mas um pouco ácido e salgado demais. O purê era cremoso e com sal correto. Achei a porção muito exagerada para uma pessoa.Patrícia Ferraz: O melhor dos pratos de bistrô. Molho encorpado, com acidez equilibrada e muito saboroso, com a combinação da gordura do bacon, da acidez do vinho, uma pimentinha ao fundo. Carne no ponto. Tudo escoltado por um bom purê de batata.Roberto Smeraldi: Uma surpresa muito agradável, porque não sou fã de frango, e mesmo assim gostei. Não só pela grande intensidade do molho, mas também por usar um animal de criação caipira que não resseca e tem sabor de outros tempos. Parabéns pela escolha do fornecedor.Silvio Giannini: Receitas clássicas francesas resistem ao tempo por uma única razão: são saborosas como uma velha canção de Charles Aznavour. Pois o Coq au Vin do chef francês Yann Corderon abraça este prato clássico de bistrô com maestria à altura de sólidos concorrentes na cidade. Seu segredo, posso apostar, está no rigor do tempo que o frango permance marinando. O frango que provei tinha sabor deliciosamente acentuado, indicando que um dia ou dois foram gastos no processo de marinada com o vinho e especiarias para atingir esse ponto de sabor e equilíbrio. O resultado arrebatou meus sentidos. Muito bom mas não leva o primeiro lugar. Se houvesse um ranking, terminaria em segundo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.